Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar




Palavras-chave

Campanha na m?dia vai explicar a toda a comunidade o que ? a Lei do Ato M?dico



21/03/2003
A representante da ag?ncia de publicidade Giovani FCB est? apresentando, neste momento, aos dirigentes das entidades m?dicas de todo o Brasil, que est?o reunidos na sede da FENAM, no Rio, a campanha de divulga??o na m?dia da Lei do Ato M?dico. A pe?a publicit?ria ? uma das estrat?gias de a??o das entidades que representam a classe m?dica, no sentido de agilizar a vota??o no Congresso do projeto n ? 25/2002, de autoria do Senador Geraldo Althoff, que define quais s?o os atos privativos dos m?dicos e aqueles que podem ser compartilhados.





Com a assinatura do Conselho Federal de Medicina, Federa??o Nacional dos M?dicos, Confedera??o M?dica Brasileira e outras institui??es do setor, a campanha tem como meta atingir n?o s? estudantes de Medicina e profissionais da ?rea de sa?de, mas tamb?m toda a comunidade brasileira.





Mauro Brand?o, representante do Conselho Federal de Medicina, esclareceu, durante a reuni?o, que o projeto de lei que regulamenta o ato m?dico n?o significa uma “briga com as outras profiss?es”.





“At? hoje, convivemos muito bem com as outras categorias profissionais. Cada um sabe o que tem de fazer, o enfermeiro, o fonoaudi?logo, o fisioterapeuta. N?o h? conflito”, afirmou o representante do CFM.





Brand?o assegura que a Lei do Ato M?dico est? muito al?m de ser uma campanha corporativista. “O objetivo ? a assist?ncia de qualidade com a presen?a do m?dico”, explicou. Ele acrescentou que j? est? se tornando praxe no Brasil a presta??o de servi?o m?dico por profissional n?o m?dico, o que compromete a qualidade na assist?ncia ? sa?de.





“O problema ? que nos ?ltimos 12 anos, a pol?tica neoliberal estabeleceu uma estrat?gia bem clara, que ? a sa?de de baixo custo. O ?nico grande programa que o governo lan?ou nos ?ltimos anos foi o Programa de Sa?de da Fam?lia, que ? um programa muito bom, mas tem sua qualidade comprometida por primar pela conten??o de custos”, acentuou Mauro Brand?o. Ele disse, ainda, que gradativamente o m?dico vem sendo substitu?do na assist?ncia ? sa?de, por conta do interesse daqueles que querem economizar. “Quanto mais o m?dico for retirado da assist?ncia, mais se economiza”, concluiu.


Fonte : Imprensa FENAM



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 701 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)