Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Relatora do projeto do salário do médico emitirá parecer favorável à proposta


Foto: assessoria/dep.Eleuses Paiva
Relatora do projeto do salário do médico emitirá parecer favorável à proposta
Sandra Rosado quis ouvir representantes de entidades médicas e de odontólogos antes de emitir seu parecer na CCJ


09/07/2009
A deputada Sandra Rosado (PSB/RN), relatora na Comissão de Constituição e Justiça do Projeto de Lei 3734/08, que fixa o salário mínimo profissional de médicos e odontólogos em R$ 7 mil, vai emitir parecer favorável à proposta. "Vamos apresentar um relatório que aprova o projeto", garantiu a parlamentar durante reunião com representantes das entidades que congregam as duas categorias, realizada nesta quarta-feira (8/07), na Câmara dos Deputados. Ela pediu ainda que os médicos e odontólogos se mobilizem pela aprovação do projeto. No encontro, o presidente da FENAM, Paulo de Argollo Mendes, disse à Sandra Rosado que a proposta é muito importante, porque estabelece parâmetros para a contratação dos médicos.

Sandra Rosado afirmou que seu parecer será dado após o recesso parlamentar - que começa no dia 17 de julho e vai até a primeira semana de agosto - e que o momento agora é de mobilização. "Nós vamos apresentar um relatório que aprova o projeto, que é de origem do deputado Ribamar Alves, com o substitutivo do deputado Mauro Nazif. O que queremos, a partir de agora, é uma mobilização para que os membros da CCCJ tenham o respaldo também desses grandes apoiadores, que são os médicos e os dentistas do nosso pais", assinalou.

Durante a reunião, o presidente da FENAM, Paulo de Argollo Mendes, agradeceu a deputada pelo apoio e disse que o projeto é importante, pois estabelece parâmetros para a contratação dos profissionais médicos. "Conseguiu-se fazer tal desordem, que temos quem ofereça 600 reais, por 4 horas. Não há parâmetros, se perdeu o norte. Acho que talvez a maior virtude desse projeto seja estipular um norte, que diga: ‘Olha, o parâmetro é esse’. Talvez a União, o Estado não queira pagar isso agora, mas quem sabe no futuro?", acentuou Argollo.

Emendas

Amparada por sua consultora legislativa, Beatriz Resende, Sandra Rosado explicou que a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJC) tem função de julgar apenas a constitucionalidade dos projetos. Assim, a deputada não tem competência para se manifestar quanto ao mérito do PL, uma vez que isso foi feito pelas outras comissões. Segundo a consultora, isso significa que a emenda proposta pelo deputado José Linhares (PP-CE) será rejeitada. Linhares propôs que o piso salarial passasse a valer de acordo com as convenções coletivas de trabalho. "A CCJ não pode se manifestar quanto ao mérito do projeto e a emenda é de mérito, logo, não compete a deputada analisá-la," explicou Beatriz Resende.

A relatora do projeto na CCJ lembrou que quanto menos o projeto for alterado, com emendas, por exemplo, mais rápida será sua chance de ser aprovado.

Mobilização

Todos os participantes da reunião agradeceram a deputada pelo apoio e pela recusa à emenda proposta. Os dirigentes das entidades médicas e de odontólogos decidiram aproveitar o recesso parlamentar que se inicia em 17 de julho, para mobilizar parlamentares e líderes dos partidos pela aprovação do projeto.

Sandra Rosado enfatizou que é importante a participação de todos na mobilização. "Enviem e-mails para os parlamentares e peçam apoio nesta questão", recomendou.

O representante do Conselho Federal de Medicina (CFM), Wirlande Santos da Luz, disse que a Comissão de Assuntos Jurídicos, composta por membros da FENAM, Associação Médica Brasileira (AMB) e do CFM, vai se empenhar para alcançar esse objetivo. "A Comissão de Assuntos Jurídicos vai falar com cada deputado com o objetivo de buscar apoio na aprovação desse projeto", assegurou Wirlande.

O presidente da FENAM, também pediu o apoio dos médicos para mobilizar os parlamentares. "Penso que agora a tarefa das entidades médicas é se comunicar com os médicos para que eles pressionem os deputados. Acho que o deputado Eleuses pode ter um papel muito importante neste trabalho", ressaltou Paulo Argollo, ao se referir ao deputado Eleuses Paiva (DEM/SP), que é médico e já presidiu a AMB.

Só para o setor privado

O PL 3734/08, que fixa o salário mínimo profissional de médicos e odontólogos em R$ 7 mil por mês para uma carga de 20h semanais, é apenas para o setor privado. Isso porque só quem pode legislar e criar projetos no setor público é o Poder Executivo, ou seja, o presidente da República. A Câmara e o Senado, como parte do Poder Legislativo, não tem competência para legislar sobre alterações de salário no setor público.

Confira a matéria, em vídeo, na FENAM TV .
Fonte : Taciana Giesel, com edição de Denise Teixeira



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1624 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)