Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar




Palavras-chave

São Paulo: permanecem os problemas na residência médica da Unisa



15/09/2009
Há aproximadamente dois anos a Universidade Santo Amaro vem enfrentando problemas relacionados ao ensino médico, quer na graduação quer na pós-graduação. Nesse período ocorreram vários embates relacionados à tentativa de equacionamento dos problemas verificados, no entanto pouco se avançou já que a direção da Unisa vem apresentando dificuldades.

O Sindicato dos Médicos de SP (Simesp) vem acompanhando com especial interesse a questão da residência médica, até mesmo porque um de seus diretores tem assento na Comissão Nacional de Residência Médica (CNMR), o que permite ao Sindicato obter amplas informações sobre os problemas envolvendo a residência.

Por iniciativa do Simesp, foi realizada uma assembléia geral dos médicos residentes do Estado de São Paulo, contando com as presenças dos residentes da Unisa, na qual foram confirmadas várias dificuldades existentes na Universidade Santo Amaro.

O desfecho da reunião não poderia ter sido diferente: pela manutenção do regime de diligência, o que significou o cancelamento da divulgação do edital de convocação de concurso para preenchimento de vagas para o primeiro ano do programa de residência médica do ano de 2010.

Inconformados com a decisão soberana da CNMR, a Unisa vem assumindo posições que poderão ser entendidas como represália aos médicos residentes. Para o presidente do Simesp e membro da CNMR, Cid Carvalhaes, "a atitude, se confirmada, é insustentável e inadmissível, o que levará o Simesp a assumir postura enérgica em relação à Unisa, com requerimento de intervenção do Ministério Público do Trabalho, Ministério Público Estadual, Ministério Público Federal, o setor de fiscalização do Cremesp, além de ações civis e penais que couberem diante das circunstâncias ora em análises.

O Simesp se solidariza com os médicos residentes da Unisa e com todos os médicos, residentes ou não, do Estado de São Paulo, que de alguma maneira se sentem ameaçados ou restringidos no sagrado direito de trabalhar.

Fonte : Imprensa Simesp



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1581 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)