Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Assembleia de médicos em Piracicaba expõe o caos na saúde do município



17/09/2009
Uma assembleia de médicos reuniu na noite de ontem, plantonistas da rede pública de Piracicaba que denunciaram as más condições para o exercício da medicina no município. Segundo os médicos, a falta de profissionais e de incentivo são os principais problemas. Um médico chega fazer 120 atendimentos em 12 horas de plantão, o que significaria seis minutos por atendimento, isso se o médico deixasse de se alimentar, ir ao banheiro, etc. Uma situação desumana tanto para o médico quanto para o usuário.

"Salários abaixo do mercado, ausência um Plano de Cargos e Carreira, excesso de jornada, falta de diálogo e desorganização nas escalas de plantão são fatores que afastam o médico da rede pública", explica José Amauricio Pauli, presidente da regional de Piracicaba do Sindicato dos Médicos (Sindimed).

No último final de semana, por exemplo, a cidade, que tem cerca de 400 mil habitantes, ficou sem pediatra de plantão. Na maior Unidade de Pronto Atendimento Médico (Upam), a do Picacicamirim, é comum um único plantonista atender consultas, emergências e ainda os 50 leitos de observação. "Isso coloca o profissional em risco, caso haja perda de vida, o médico é que será responsabilizado e não o gestor" alertou Moacyr Esteves Perche, presidente do Sindimed.

O departamento jurídico do sindicato entra ainda esta semana com um boletim de ocorrência coletivo, junto à Polícia Militar, com o objetivo de preservar o médico caso ocorra uma tragédia. O Sindimed orientou também para que a falta de plantonista, ou de condições de trabalho, seja registrada no prontuário de cada plantão.

A assembleia definiu por uma mobilização permanente, uma audiência pública convocada em conjunto com o Conselho Municipal de Saúde e Câmara Municipal e o encaminhamento à Secretaria de Saúde da pauta de reivindicações dos médicos.

Precarizar para terceirizar

A precarização no serviço público de saúde transforma o herói em vilão. O usuário, que enfrenta horas de espera, acaba por culpar o médico pelo mau atendimento. Os gestores geralmente se safam também colocando a responsabilidade em cima das ausências de médicos na rede. "No fim, o herói, que dobra seu plantão e se dispõe a atender mesmo em condições desumanas, vira o vilão da história", lamenta o presidente do Sindimed.

Para a entidade médica, o que tem acontecido é um processo de sucateamento para justificar a terceirização dos serviços. "O governo municipal não oferece salários competitivos, precariza os serviços, se mostra deficiente na gestão e assim justifica a contratação de empresas terceirizadas. "Essas empresas não tem compromisso com o profissional nem com o SUS, muito menos com o município e a situação só tende a se agravar", conclui Pauli.

Participaram da assembleia o Conselho Regional de Medicina, representado por Renato Françoso Filho, a Associação Paulista de Medicina, por Eduardo Rebeis e o Conselho Municipal de Saúde, com Luiz Tadeu da Silva.
Fonte : Sindmed/Campinas



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1210 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)