Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Médicos da região Sul do país traçam futuro do SUS


Foto: Cremers
Médicos da região Sul do país traçam futuro do SUS
Reunidas no RS as entidades médicas demonstraram preocupação com o Sistema Único de Saúde


23/11/2009
Médicos dos três estados do Sul debateram na última sexta-feira (20/11), em Porto Alegre, as condições de trabalho no SUS e mudanças para assegurar futuro do sistema. Em foco, estavam desde deficiências no modelo, como baixo investimento e carências crônicas na assistência (superlotação, falta de médicos, demora em cirurgias e consultas), à criação de carreira médica para reativar o interesse da categoria pelo segmento.

O evento PRÓ-SUS, que foi lançado nacionalmente pelas principais entidades médicas, foi realizado na sede do Conselho Regional de Medicina (Cremers). O Sindicato Médico do RS, Cremers e Associação Médica do RS (Amrigs) promoveram o debate.

Hoje 70% da população gaúcha depende da assistência pelo SUS. Mas as condições de atendimento se deterioram. Na Capital, a face mais dramática é a superlotação de grandes hospitais públicos, provocada pela redução de mais de 35% de leitos em 16 anos.

A escassez de médicos especialistas em postos e centros de saúde adia diagnóstico de doenças, prejudicando a saúde e elevando custos para tratamento. Centros de Saúde como o da Vila dos Comerciários, zona sul, já tiveram mais de 50 especialistas, hoje são menos de 15. O único reumatologista de todo o SUS se aposentará em 2010.

O evento contou com painéis de diversos segmentos, e a participação de gestores públicos a representantes de hospitais e parlamentares. O movimento foi lançado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), Associação Médica Brasileira (AMB) e Federação Nacional dos Médicos (FENAM).

também foram debatidos, a criação de um Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV) Médico, da Carreira de Estado e do Piso Salarial de R$ 7.000, além da adoção do padrão de remuneração da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM) no SUS.

Veja a carta elaborada na ocasião:

Reunidas em Porto Alegre, no Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul, por ocasião do Forum Pró-SUS, as entidades médicas manifestam sua preocupação com a situação do Sistema Único de Saúde, dos usuários e dos profissionais que vinculados a ele atuam. Resolvem vir a público declarar:

1. Apoio integral ao Sistema Único de Saúde, efetivo e que atenda às necessidades da população e de valorização dos profissionais;

2. As medidas necessárias para que o SUS possa desenvolver suas finalidades de forma satisfatória, que são:

2.1. a regulamentação, pelo Congresso Nacional, da Emenda Constitucional nº 29, que define a forma de financiamento do sistema e o que representa gasto real em saúde;

2.2. a definição clara e expressa da participação e responsabilidade de cada ente federativo – União, Estados, Municípios e Distrito Federal;

2.3. o pagamento, aos hospitais credenciados, de valores que tenham por base o custo real da prestação do serviço;

2.4. a aprovação, pelo Congresso Nacional, do piso salarial da categoria médica;

2.5. a adoção, pelo Sistema Único de Saúde, da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos – CBHPM - como parâmetro de remuneração dos procedimentos médicos;

2.6. a criação e implementação de um plano de carreira médica no SUS, seja na esfera federal, estadual e/ou municipal, a fim de permitir uma remuneração adequada aos Médicos e uma dedicação integral destes ao Sistema Único de Saúde;

2.7. o posicionamento firme dos Médicos no sentido de não compactuar com o represamento de cirurgias e/ou tratamentos indispensáveis aos pacientes como forma de redução de custos para o sistema;

2.8. aumento do valor do Piso Assistencial Básico (PAB), que atualmente é de R$ 18,00 (dezoito reais);

2.9. o reforço das relações entre médicos e pacientes para exigir o cumprimento da lei;

2.10. reconhecimento da importância do SUS na universalização da saúde, proporcionando assistência médica integral à população;

2.11. reconhecimento do esforço municipal para adaptar-se às realidades financeiras que a eles estão sendo propostas e buscar, conjuntamente, o encaminhamento de alternativas que viabilizem o atendimento médico da população;

2.12. Legitimação da participação social no controle do SUS, definidos os parâmetros técnicos.

Por fim, os Médicos ressaltam a importância de se buscar um Sistema Único de Saúde que efetivamente garanta o direito fundamental à saúde para a população, mas que também resguarde condições dignas ao exercício da profissão médica.

Porto Alegre, 20 de novembro de 2009.
Fonte : SIMERS



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1245 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)