Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Mato Grosso do Sul tem início de surto de dengue



18/01/2010
Brasília - A Secretaria de Saúde do Estado do Mato Grosso do Sul está em alerta devido ao aumento da incidência dos casos de dengue no estado. De acordo com os dados divulgados, o número de notificações em 2009 cresceu cerca de 250% em relação a 2008. Em 2009, foram registrados 20.273 casos, mais da metade no primeiro semestre. Nas primeiras duas semanas de janeiro, a secretaria já registrou 2 mil incidências.

O município que apresentou maior incidência de casos foi Pedro Gomes com 6.269 casos por 100 mil/habitantes, seguido de Bodoquena, com 5.521, Guia Lopes da Laguna (4.276), Jardim (3.057), Ladário (2.714), Porto Murtinho (2.196), Nioaque (2.019), Rio Brilhante (1.282), Anastácio (1.184) e Aquidauana (715). Todos se encontram em situação de risco.

Outros municípios, especialmente das regiões oeste e sul do estado, também apresentaram surtos da doença, com taxas em torno de 578 casos por 100 mil habitantes. Até o momento, os municípios de Alcinópolis, Brasilândia, Caracol, Japorã, Jateí, Novo Horizonte do Sul, Paranhos e Selvíria não notificaram casos da doença.

Segundo o diretor da Agência de Vigilância em Saúde, Eugênio de Barros, a maioria dos casos notificados em 2008 foi descartada, pois os exames laboratoriais deram negativos. Isso fez com que a população não tomasse as medidas preventivas e que os casos aumentassem novamente.

"Em 2008 foi um ano tranquilo. Em 2009, somando a epidemia do início do ano e essa que apareceu em dezembro, deu mais de 20 mil casos. Perto de 75 mil (de 2007) ainda é pouco, mas a gente não quer que suba, chegue a 50 mil", disse Barros. "Então a hora de reverter é agora. As ações estão em campo, nós estamos no maior envolvimento, com os três níveis de governo trabalhando para segurar essa epidemia."

Segundo ele, a secretaria faz o acompanhamento semanal das ocorrências para saber em que cidades estão mais concentradas os casos e quais bairro têm apresentado aumento. Ele alerta a população quanto ao acúmulo de água em pneus, latas de lixo, vasos de plantas, garrafas, e outros locais que contribuem para a multiplicação do mosquito Aedes aegypt.

"O governo não pode deixar alguém em cada quintal desse país o ano inteiro. Fazemos a visita a cada dois meses e orientamos a população. Então nesse intervalo cada um é responsável pela sua casa, pelo seu quintal", afirma o diretor.
Fonte : Agência Brasil



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 653 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)