Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

RS: prefeitura de Porto Alegre promete nova proposta a médicos até dia 26



22/04/2010
A prefeitura de Porto Alegre prometeu apresentar, na próxima segunda-feira, dia 26, nova proposta de aumento a médicos do município. Representantes do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (SIMERS) se reuniram na tarde da última terça, dia 20, com secretários municipais e comunicaram que a categoria recusou, por unanimidade, a primeira oferta, com abono muito distante do piso nacional, de R$ 7 mil por 20 horas. Os diretores lembraram que dia 28 os médicos municipários e municipalizados terão nova assembleia e vão decidir sobre paralisação.

Foi o primeiro encontro após plenária do dia 14, que deflagrou a mobilização. Agora os médicos estão fazendo reuniões por locais de trabalho, preparando-se para o encontro da próxima semana. O movimento abrange os mais de 1,3 mil médicos que atuam em postos, prontos atendimentos e hospitais vinculados à prefeitura entre eles HPS e Hospital Presidente Vargas (HPV).

Hoje o piso de ingresso é de R$ 1.409,90, o que afasta cada vez mais os profissionais do SUS. Somente no HPS a estimativa é de déficit de 20% do quadro médico necessário. Com mais de 360 médicos, o hospital precisaria contratar imediatamente 60. A prefeitura não consegue preencher vagas em concurso, agravando a falta de especialistas e superlotando emergências.

Na reunião, estavam os diretores do SIMERS Clarissa Bassin e Jorge Eltz e os secretários do Planejamento e Gestão, Clóvis Magalhães e da Coordenação Política e Governança Local, Cézar Busatto. Clarissa ressaltou que a categoria aceita a concessão de abono, mas que o valor tem de seguir o piso nacional. "Estamos lutando por uma condição de remuneração que assegure a presença de médicos no SUS. Este é o desejo que une médicos e população", reforçou Clarissa. O prefeito José Fortunati levou ao presidente do Sindicato, Paulo de Argollo Mendes, no dia 14, proposta que previa abono, mas em percentuais muito baixos e calculados sobre o piso, o que foi rechaçado pela assembleia.

Veja as decisões da assembleia:
1 - Rejeição por unanimidade da proposta do município, que previa abono diferenciado por área de atuação dos médicos. Valor sairia da aplicação de percentual sobre piso de R$ 1.409,90.
2 - Reposição emergencial seguindo piso nacional médico.
3 - Assembleia permanente.
4 - Prazo até 26 de abril para nova proposta da prefeitura.
5 - Indicativo de paralisação a ser votado em assembleia em 28 de abril.
6 - Indicação de cinco nomes de médicos para compor grupo, com integrantes da prefeitura, para formular PCCV.
7 - Apoio ao movimento dos servidores, liderados pelo Simpa.
Fonte : Imprensa Simers



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 953 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)