Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Perícia médica e fiscalização de faculdades de medicina são temas de reunião em Brasília



22/10/2010
A elaboração de perícias médicas por outros profissionais do setor saúde foi um dos temas da 30ª Reunião Ordinária da Câmara de Regulamentação do Trabalho em Saúde, realizada nos dias 19 e 20 de outubro, no Ministério da Saúde, em Brasília. O Projeto de Lei 7200/10, de autoria dos deputados Ricardo Berzoini, Pepe Vargas, Jô Moraes, Paulo Pereira da Silva e Roberto Santiago, foi analisado e debatido pelos membros da Câmara, composta por representantes das profissões de saúde e gestores públicos. Para que o tema fosse melhor compreendido, a sociedade de perícia médica e o INSS foram convidados para fazer uma explanação.

Designado para ser o relator do parecer sobre o projeto na Câmara Técnica, o Secretário de Formação e Relações Sindicais da FENAM, José Erivalder Guimarães de Oliveira, revelou que seu parecer, provavelmente, será contrário ao projeto proposto na Câmara dos Deputados. De acordo com ele, a perícia é um ato exclusivo do médico, entretanto, é possível admitir a colaboração de outros profissionais, em uma equipe multiprofissional, desde que sob a supervisão de um profissional formado em medicina.

"Atribuir esta atividade a outros profissionais é um risco muito grande para a população. A perícia médica é um ato exclusivo do médico, porque esse está preparado e apto para analisar a capacidade e atividade laborativa. Se for feito por outro profissional corre-se o risco de estar concedendo ou negando benefícios que não necessariamente deveriam ser dados ou negados, pela falta de condição técnica do outro profissional", explicou.

Outro ponto abordado no encontro foi a atuação do Ministério da Educação na fiscalização das escolas médicas. De acordo com o dirigente da FENAM, o Ministério da Educação está mais rigoroso e após uma avaliação em diversas universidades que oferecem o curso de medicina constatou que muitas devem ser melhoradas pelas deficiências que apresentam. Segundo Erivalder, o Ministério já cortou 1.000 vagas para o vestibular oferecido ao curso.
Fonte : Taciana Giesel, com edição de Denise Teixeira



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1557 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)