Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

PR: médicos de Curitiba são sobrecarregados e expostos à violência



28/10/2010
O Sindicato dos Médicos no Estado do Paraná (SIMEPAR) vem recebendo diversas reclamações de médicos que atendem nos Centros Municipais de Urgência Médica (CMUM’s) de Curitiba. O serviço prestado pela Prefeitura Municipal é sobrecarregado e tem diversas deficiências que resultam em condições de trabalho precárias para os profissionais da saúde e problemas no atendimento à população.

Os médicos que atendem nos oito CMUM’s não são contratados pela Prefeitura e sim por quatro instituições (Hospitais Cajuru, Evangélico, Cruz Vermelha e Funpar) o que caracteriza terceirização, e é ilegal. O SIMEPAR já denunciou essa irregularidade ao Ministério Público do Trabalho que está investigando o caso. Essa forma de contratação gera uma série de distorções, os contratantes pagam salários e benefícios diferentes para profissionais que exercem a mesma função, o que também é ilegal e gera muita insatisfação. Cabe ressaltar que somente os médicos são contratados dessa maneira.

Os médicos também se queixam de acúmulo de trabalho, pois a demanda por atendimento é muito superior ao número de profissionais. Isso resulta em demora no atendimento, insatisfação da população e constantes casos de agressão aos médicos e demais profissionais. A falta de segurança é um dos principais problemas apontados.

Além disso, os médicos afirmam que há interferência no exercício da medicina, com restrições a prescrição de determinados medicamentos, restrições a pedidos de exames e proibição de indicação de retorno aos pacientes; práticas que são vedadas pela lei e pelo código de ética médica.

Esses problemas não são novos, e o SIMEPAR vem tomando medidas para tentar resolvê-los há tempo. Várias denúncias já foram feitas ao Ministério Público do Trabalho, Conselho Regional de Medicina, Federação Nacional dos Médicos entre outras entidades. Recentemente, a direção do Sindicato esteve reunida com a Secretária Municipal de Saúde, Eliane Chomatas, mas a Prefeitura Municipal minimiza a situação a age como se os problemas não existissem.

Agora, o SIMEPAR em conjunto com os médicos que atendem nesses centros estudam medidas judiciais e de mobilização para que os gestores municipais reconheçam os problemas e busquem soluções para melhorar as condições de trabalho e o atendimento à população.
Fonte : SIMEPAR



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1262 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)