Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Sindmepa é contra a nova CPMF



08/12/2010
Criada ainda no governo de Fernando Henrique Cardoso, a Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras (CPMF) nasceu bem intencionada. Foi gestada pelo então ministro Adib Jatene com a finalidade de socorrer a saúde pública brasileira. Porém, abandonou essa tarefa já no primeiro dia de vida e durante todo o período em vigor, de 1999 até 2007.

Em dez anos, o orçamento da União para a saúde cresceu mais de 50% em termos reais, mas não houve melhoria da qualidade dos serviços; o fim da CPMF não significou um centavo a menos no orçamento da saúde. A perda foi, imediatamente, compensada com o aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF).

O projeto de Lei Complementar 306, que regulamenta a Emenda Constitucional 29, está pronto para ser votado a qualquer momento pela Câmara. Ele define os percentuais que os três entes da federação devem aplicar em saúde e ressuscita o imposto do cheque com o nome de Contribuição Social sobre a Saúde (CSS). A CSS teria alíquota de 0,10% sobre toda movimentação financeira e a previsão de receita é de mais de R$ 15 bilhões ao ano.

Sem dúvida precisamos de mais recursos para implementar o SUS constitucional, que garante a saúde como direito para todos os brasileiros. Mas também é necessário dar ao Sistema um choque de gestão e fechar os ralos da corrupção que sangram até 40% do dinheiro, ora disponível para o setor. Também temos que discutir se vamos continuar gastando mais com alta e média complexidade em detrimento da atenção primária.

Ressuscitar a CPMF (travestida de CSS) é apenas o caminho fácil para continuar aumentando as receitas – e a carga tributária – como os governos fazem desde o fim da superinflação, mesmo cientes de que o país está exaurido de tantos impostos que oneram a produção e minam a competitividade do país. O Sindicato dos Médicos do Estado do Pará (Sindmepa) se declara contra esta malfadada proposta.

Como solução para a saúde apontamos: a regulamentação da EC–29; a reforma tributária com maior alocação de recursos na saúde e para os municípios; gestão transparente, qualificada e republicana; valorização dos trabalhadores de saúde com Plano de Cargos Carreiras e Vencimentos; fim da corrupção e malversação de verbas públicas.
Fonte : Sindmepa



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1001 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)