Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

FENAM quer revisão na MP que retira auxílio moradia dos médicos residentes


Foto: Taciana Giesel
FENAM quer revisão na MP que retira auxílio moradia dos médicos residentes
O assunto foi amplamente debatido na reunião da Comissão Nacional de Residência Médica.


13/01/2011
A diretoria da Federação Nacional dos Médicos (FENAM) está preocupada com os efeitos da retirada do auxílio moradia destinado aos médicos residentes, podendo gerar consequências comprometedoras na formação médica. A supressão foi instituída pela Medida Provisória 521, publicada no último dia do Governo Lula, 31 de dezembro.

"Esta MP mudou o texto da lei original e é motivo de grande preocupação da FENAM. Entendemos ser desejável que o médico residente tenha alojamento e permaneça no seu lugar de treinamento, até por inerência da própria formação. Acreditamos ser este um assunto merecedor de um detalhamento com muito mais rigor e talvez esta MP deva ser revista", alertou o presidente da FENAM, Cid Carvalhaes.

A Associação Nacional dos Médicos Residentes (ANMR) também quer que o texto seja revisado. De acordo com o presidente da entidade, Victor Lima, durante o grupo de trabalho instituído para decidir as reivindicações dos médicos residentes no período da greve, realizada em agosto do ano passado, nunca houve acordo entre o Ministério da Educação e o Ministério da Saúde em relação a essa alteração. Conforme suas declarações, apenas havia consenso em relação ao reajuste da bolsa e a ampliação da licença maternidade, pautas que foram contempladas na MP.

"O MEC colocou o artigo que retira a moradia da lei, contra a vontade e opinião dos residentes", destacou Lima, que também pediu o apoio das entidades médicas para pressionar o poder Legislativo a mudar a redação da MP. "O que a gente pretende fazer hoje é contar com o apoio de todas as entidades médicas, em especial da FENAM, por todo o Brasil, e fazer pressão parlamentar para que isso seja mudado", destacou.

O presidente da FENAM, Cid Carvalhaes, já estendeu o apoio à entidade. "É obrigação da FENAM e das entidades médicas acolherem esse tipo de pleito, porque a preocupação com a formação sólida, adequada, técnica e consistente para o médico brasileiro passa por definições de preceitos e de regras muito claras, que quando são modificadas trazem desconforto, insegurança e podem contribuir para a piora dessa qualificação", destacou o presidente da FENAM.

O tema foi amplamente debatido durante a reunião da Comissão Nacional de Residência Médica (CNMR), realizada nesta quarta-feira (12), no Ministério da Educação, em Brasília. O representante da FENAM, Jorge Eltz, também ressaltou que a entidade poderá dar encaminhamento ao Congresso com pedido para revisão e possível retirada do artigo que prevê a suspensão do auxilio moradia. "A discussão era que isso seria debatido em reunião interministerial. Vamos encaminhar para possível revisão no Congresso Nacional, admitindo modificação e mesmo a retirada da suspensão do auxilio moradia", assinalou Jorge Eltz.

O vice-presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Carlos Vital, também entende que houve um equívoco na redação da Medida Provisória e acredita que o texto deve ser corrigido. "Acho que foi um equívoco. Os ganhos oferecidos ao residente em termos de uma bolsa atualizada, foram, de certa forma, subtraídos quando se perde o auxilio moradia, mas certamente isso vai, de maneira amadurecida, ser corrigido em um grupo de trabalho que já está formado", acredita Vital.

O MEC, por sua vez, alega que não poderia obrigar, por lei, que todas as instituições concedam o benefício. Mas, segundo o órgão, nada impede que as instituições que tenham essa política instituída continuem a oferecer o benefício.

Já um dos representantes da Associação Médica Brasileira (AMB) junto à Comissão Nacional de Residência Médica, José Bonamigo, acredita que as regras de concessão do direito à moradia deveriam ser instituídas a partir da lei antiga, que garantia o direito aos médicos.

"A base de negociação é a lei que afirma que  100% dos médicos residentes têm direito à moradia, e, a partir daí, pode se negociar condições para isso, porque sabemos que o sistema está muito sobrecarregado em relação aos custos, mas mudar essa lei, passar uma régua dizendo que os residentes só têm direito à alimentação e ao alojamento durante os plantões para depois negociar, para mim isso é uma manobra política", finalizou Bonamigo.

Confira a matéria na rádio FENAM
Fonte : Taciana Giesel, com edição de Denise Teixeira



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1847 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)