Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar




Palavras-chave

RS: sindicato exige mais segurança para evitar novas agressões a médicos do Conceição



24/02/2011
O presidente do SIMERS, Paulo de Argollo Mendes, disse, nesta quarta-feira, 23, à direção do Grupo Hospitalar Conceição (GHC) que é "indispensável o aumento imediato e permanente da segurança na emergência do Hospital Conceição". Argollo exigiu o reforço em encontro no começo da tarde com o superintendente do GHC, Neio Lúcio Fraga Pereira. O executivo garantiu já ter adotado a medida. O dirigente médico apontou que é preciso agir rápido para prevenir novos casos de agressões a médicos.

Na noite da última terça, 22, uma médica foi ferida após um paciente lançar um computador sobre ela dentro do consultório. Ele havia sido atendido durante todo o dia no serviço. A profissional teve lesões no rosto (corte no nariz e hematomas). Argollo admitiu que o caso é isolado, mas alertou para a condição de operação do serviço, sempre superlotado, que mantém clima de tensão minente e eventual revolta da população com a demora ou recursos técnicos insuficientes.

A solução para reduzir a sobrecarga depende, lembrou o dirigente do Sindicato, dos gestores do SUS - prefeitura, Estado e governo federal. "Não podemos permitir que situações como essas se repitam. O médico não tem culpa se o sistema demora e se houve mudança no atendimento. Ele já vive a pressão normal de um serviço que está sempre superlotado", destacou o dirigente. Também a adoção do Protocolo de Manchester, que implicou em novo sistema de classificação dos atendimentos, conforme gravidade dos pacientes.

Argollo acompanhou, no final da manhã desta quarta, a médica ao serviço de medicina legal do Estado, na Capital, para exame de corpo de delito. "Vamos acompanhar a investigação até o final e exigir rigor na punição da pessoa responsável pela agressão", demarcou o presidente do SIMERS. Para a entidade, a violência física ou verbal passou a ser uma realidade no dia a dia do trabalho médico, e tem relação com a falta de estrutura de atendimento e deficiências.

A população transfere ao médico, que está na linha de frente da assistência, a culpa pelos problemas - que são responsabilidades dos gestores. O Sindicato alerta ainda que a adoção do protocolo pela maior emergência do SUS no Estado não pode ser isolada. "É preciso aumentar leitos e melhorar a rede básica. A população continuará buscando o serviço, em situações graves ou não".

OUÇA a entrevista de Argollo à Rádio SIMERS
Fonte : SIMERS



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1036 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)