Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Polícia de Imigração investigará atuação de médicos uruguaios no RS



09/05/2011
O Ministério da Justiça determinou que a Polícia de Imigração investigue a atuação ilegal de médicos formados no Uruguai em serviços de saúde no Rio Grande do Sul. A medida foi tomada após a denúncia feita pelo Sindicato Médico do RS (SIMERS) à pasta devido à contratação de estrangeiros que não atendem às exigências da legislação brasileira por parte de prefeituras e hospitais.

Para exercer a Medicina no Brasil, é preciso revalidar o diploma obtido no Exterior em uma instituição de ensino pública nacional e fazer o registro no conselho de classe no estado onde for trabalhar. Em ofício enviado ao SIMERS, a diretora do Departamento de Estrangeiros do Ministério, Izaura Maria Soares Miranda, confirma que os profissionais oriundos do país vizinho devem cumprir as regras.

No documento, a diretora determina ao coordenador-geral de Polícia de Imigração, Antônio Carlos Floriano Lessa, que tome providências frente ao "exercício de atividade profissional regulamentada em desacordo com a norma interna". A responsável pela área alerta também que a Divisão de Estudos e Pareceres do departamento confirmou que o acordo binacional prevendo o trabalho nas regiões de fronteira não elimina a aplicação das regras do sistema de saúde interno.

SAIBA MAIS

O SIMERS vem agindo para impedir este tipo de procedimento desde a metade da última década. No ano passado, a prática de contratar uruguaios para suprir a falta de médicos foi reativada por prefeitos, como o de Santa Vitória do Palmar. As administrações se baseiam em um acordo entre Uruguai e Brasil. Em dezembro de 2010, o Sindicato obteve na Justiça Federal a proibição para que o município efetuasse os contratos. A decisão passou a servir de referência a outras localidades fronteiriças. A entidade também comunicou a prática à Polícia Federal.

"O Estado tem o dobro de médicos de que necessita, mas eles só não atendem em postos e hospitais do SUS porque falta uma política para atrai-los e mantê-los nas vagas. Uma carreira pública resolveria rapidamente as carências", adverte o presidente do SIMERS, Paulo de Argollo Mendes, lembrando que predominam na área vínculos precários, feitos por períodos curtos, sem concurso público e pelos quais os médicos podem ser mandados embora a qualquer momento.

A proposta de criar uma Carreira de Estado para a categoria tem sido levada aos municípios. "Infelizmente, os gestores se negam a adotar e buscam a solução no outro lado da fronteira, cometendo ilegalidades e colocando em risco a saúde dos pacientes", lamentou o dirigente. A revalidação do diploma é a única maneira de assegurar que a formação esteja adequada ao perfil e às necessidades de assistência dos brasileiros. O Rio Grande do Sul tem mais de 24 mil médicos habilitados a trabalhar, quase dois para mil habitantes. O Ministério da Saúde recomenda a relação de um para mil pessoas.
Fonte : SIMERS



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 911 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)