Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar




Palavras-chave

RS: consultórios médicos do SUS funcionam em ônibus em Canoas



27/05/2011
Pré-natal de gestantes é feito em cadeira de dentista. Idosos sofrem mais

Em Canoas, médicos de equipes de Saúde da Família fazem o pré-natal de gestantes em uma cadeira de dentista. Mais: os consultórios funcionam há mais de sete meses dentro de dois ônibus estacionados no pátio de um Pronto Atendimento no bairro Mathias Velho.

Idosos, a maioria dos pacientes atendidos, sofrem para subir e descer as escadas dos veículos e ainda correm risco de cair e se machucar. Para completar o cenário do que deve ser um local para cuidar da saúde, cães costumam repousar tranquilamente nos mesmos bancos usados pela população.

A situação lamentável foi flagrada pelo Sindicato Médico do RS (SIMERS), durante vistoria a unidades sanitárias da segunda cidade mais rica do Estado, que fica na Região Metropolitana. O funcionamento é mais precário em dias de chuva, porque a sala de espera, improvisada sob um "toldo" de espera, não oferece proteção contra as intempéries. O terreno costuma alagar.

Outra grave deficiência: das cinco equipes previstas para os dois ônibus, três têm médicos, que acabam tendo de se virar para dar conta do dobro da demanda. Um dos efeitos é o cancelamento das visitas domiciliares, atividade crucial do ESF e prevista pelo Ministério da Saúde. Pelo programa federal, a cobertura para cada grupo de profissionais (médico, enfermeiro, auxiliar e agente comunitário) é de 3,5 mil moradores.

A operação no local ocorreu após o despejo das equipes que atendiam no prédio onde agora está o PA Noroeste. "Era para ficarmos um mês até a construção de uma nova sede. Estamos aqui há sete", contam os profissionais. Os ônibus têm logomarca do grupo Mãe de Deus e do programa Brasil Sorridente (CEO). Uma característica das equipes é a alta rotatividade, pois a situação desmotiva muitos a permanecerem e o vínculo é de terceirizado.

Pacientes que vão ao local relatam a situação desumana de atendimento e exigem melhor tratamento. Os profissionais apontam a falta de espaço para fazer procedimentos e examinar mulheres, crianças e idosos. Quando os mais velhos precisam ser atendidos, a solução para não expô-los à insegurança da escada é fazer a consulta num banco sob o toldo, sem privacidade e pisando em cascalhos.

"É no mínimo falta de respeito. Tenho pena dessas pessoas de mais idade. Na cadeira de dentista é impossível fazer exame de toque nas grávidas que já estão nas últimas semanas da gestação", retrata uma médica. O SIMES mediu o tamanho do consultório: menos de três metros quadrados. "O espaço já é limitado para uma pessoa se movimentar, imagina para um médico, uma mãe e um criança", descreve o diretor do Sindicato, Fábio Gatti.
Fonte : SIMERS



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 861 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)