Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

PE: Hospital Universitário Oswaldo Cruz fecha leitos de doenças infecciosas



01/06/2011
Além do déficit na assistência a partos e recém-nascidos, evidenciado nos últimos meses com a via-crúcis de mães e bebês, a rede do Sistema Único de Saúde (SUS) de Pernambuco terá novas restrições a partir de quarta-feira (1º). É que o Hospital Universitário Oswaldo Cruz, do Estado e localizado no Recife, referência em doenças infecciosas, deixará de internar pessoas com dengue e leptospirose. Nos próximos dias, será obrigado a fechar a UTI do setor, diminuindo também, o atendimento de casos de aids e tétano.

A partir desta quarta, médicos cujos contratos venceram no dia 30 de abril deixam de trabalhar. "Não podemos compactuar com a irresponsabilidade do governo. Aceitamos trabalhar mais um mês após o fim do contrato, porque havia promessa verbal de renovação. Mas isso não se concretizou", explica o médico Luciano Arraes. Sem os profissionais e outros da enfermagem, que também devem deixar o hospital, o Huoc não terá como manter os serviços no Pavilhão Antônio Figueira (22 leitos) e na UTI de doenças infecciosas.

"Estamos tentando mudar esse quadro, já fiz tudo que era possível, mas não é o Huoc que contrata", alegou o diretor Raílton Bezerra. A restrição no atendimento coincide com o aumento de casos de leptospirose, consequência dos alagamentos. No Huoc, a frequência de doentes aumentou em 100% nas duas últimas semanas.

São 60 profissionais contratados, dos quais 14 médicos. A equipe foi montada às pressas há dois anos a pedido da Secretaria Estadual de Saúde (SES), durante epidemia de gripe H1N1. No ano seguinte, os contratos foram mantidos, em razão do aumento de dengue e leptospirose. Uma semana antes do término do contrato, em abril último, a SES comunicou ao Huoc que não haveria renovação, seguindo orientação da Secretaria de Administração. Coube então ao hospital apelar à Secretaria de Ciência e Tecnologia, à qual é vinculado, já que um concurso público solicitado há mais tempo - para suprir o déficit geral da unidade - não havia sido autorizado. No entanto, a única solução da secretaria é a seleção simplificada de novos profissionais, que levará semanas ou meses.

Ontem, havia 16 doentes na enfermaria de dengue e leptospirose e outros seis na UTI de sete leitos, que devem ser transferidos a outros hospitais. A Central de Regulação de Leitos do Estado já foi comunicada. O Huoc tem outras enfermarias para aids e tétano, mas, com o fechamento da UTI de doenças infecciosas, terá restrição para esses casos também. "Estamos preocupados porque já temos carência de leitos na rede, imagine sem o Huoc? Esperávamos que o Estado desse tratamento especial ao Oswaldo Cruz por ser uma referência", disse Wladimir Reis, coordenador da ONG GTP+, que assiste pessoas com HIV.

Fundado há 127 anos como hospital de doenças infecciosas, o Huoc, além de registrar taxas baixas de mortalidade no tratamento de leptospirose e dengue, dá consultoria ao Estado na hora de desvendar novas enfermidades. O hospital-escola ganhou fama internacional em 2008 ao curar jovem com raiva humana.
Fonte : Simepe



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 826 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)