Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Abramge quer reajustes dos médicos no marco regulatório da saúde complementar


Foto: Agência Câmara
Abramge quer reajustes dos médicos no marco regulatório da saúde complementar
Para o representante da Abramge os reajustes deveriam ser tratados em lei e não por meio de atos normativos da ANS.


07/07/2011
A Associação Brasileira de Medicina de Grupo (Abramge) defendeu a inclusão dos reajustes dos honorários médicos, das taxas hospitalares e das mensalidades dos planos de saúde no marco regulatório da saúde complementar.

Essas e outras sugestões foram apresentadas, nesta quarta-feira (6), durante a reunião da subcomissão especial da Comissão de Seguridade Social e Família destinada a avaliar o sistema de saúde complementar.

Para o representante da Abramge, Dagoberto José Steinmeyer Lima, os reajustes deveriam ser tratados em lei e não por meio de atos normativos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). "É uma dificuldade que ocorre todo ano que tem de ser enfrentada, tem de haver critérios definitivos [para os reajustes].” Lima argumenta que, como se trata de relação entre prestadores, beneficiários e ANS, essa legislação é de direito civil. “Por isso, ela tem de constar dos contratos; mas como se tratam de contratos especiais, é necessário que haja uma lei maior que possa, através do Congresso Nacional, estabelecer as regras básicas para esse relacionamento."

Capital estrangeiro
A Abramge também sugeriu à subcomissão especial que avalia o setor de saúde complementar a inclusão no marco regulatório de questões como a participação de empresas de capital estrangeiro no setor. A associação também propôs regras sobre a cobertura mínima, diante das novas tecnologias; normas sobre rescisão de contratos e aplicação de multas; e regras de intervenção da ANS nas operadoras.

A subcomissão teve seu prazo prorrogado por mais 90 dias. Inicialmente, os trabalhos deveriam ser encerrados no próximo dia 28. Segundo o relator, deputado Mandetta (DEM-MS), com a prorrogação, o relatório preliminar será discutido no final de agosto e até lá vários segmentos serão ouvidos, como representantes dos consumidores e dos prestadores de serviços.

O deputado Mandetta diz que a ideia é colocar ordem no setor da saúde complementar. Ele lembra que mais de 100 projetos tramitam sobre o tema na Câmara; e que desde a implantação da Lei 9656/98, que regulamenta os planos e seguros privados de saúde, até hoje medidas provisórias têm alterado o espírito da lei. “A ANS baixou uma série de portarias que interferem diretamente na relação custo-benefício desses planos e que não foram devidamente acordados com o setor", acrescentou.

De acordo com o deputado Mandetta, a regulação do setor vai contribuir para evitar uma sobrecarga do SUS. Ele lembrou que, dependendo da especialidade, o paciente hoje tem mais facilidade de acesso pelo SUS do que por meio de seu plano de saúde.

A subcomissão está revendo a legislação e deverá apresentar um novo marco regulatório para o setor, por meio da apresentação de uma nova lei ou pela consolidação da legislação já existente.
Fonte : Agência Câmara



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 773 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)