Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Ministérios precisam trabalhar em conjunto para alcançar bons níveis na formação médica


Foto: Simesp
Ministérios precisam trabalhar em conjunto para alcançar bons níveis na formação médica
Carvalhaes disse que a saúde precisa ter orçamento próprio e defendeu como uma das saídas, a imediata regulamentação da Emenda Constitucional 29.


08/07/2011
Aperfeiçoamento na formação do médico, fim da abertura indiscriminada de faculdades de medicina e a adoção por parte dos governos de políticas públicas que fixem especialistas nas periferias dos grandes centros urbanos e nas pequenas cidades deram a tônica do II Fórum Nacional sobre Educação Médica

"Os ministérios da Saúde, Educação, Planejamento e Fazenda precisam trabalhar em conjunto para melhorar a qualidade da saúde oferecida à população", declarou o da Federação Nacional dos Médicos (Fenam) e do Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp), Cid Carvalhaes, no encerramento do II Fórum Nacional sobre Educação Médica, realizado ontem, dia 6 de julho, no Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE), em São Paulo.

Carvalhaes disse que a saúde precisa ter orçamento próprio e defendeu como uma das saídas, a imediata regulamentação da Emenda Constitucional 29 que define os percentuais que os governos federal, estaduais e municipais devem investir na área. Neste sentido destacou a necessidade de uma integração entre o executivo e o Congresso Nacional. O especialista também criticou a abertura indiscriminada de escolas de medicina no País e defendeu a adoção do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV).

Presente no Fórum, a secretária executiva da Comissão Nacional de Residência Médica, Maria do Patrocínio Tenório Nunes, disse que é preciso conscientizar os gestores nos Estados e nos Municípios sobre a necessidade da adoção de uma política de estado para a saúde, a fim de evitar a interrupção dos programas a cada troca de gestor. Sobre a necessidade de se fixar o médico nas periferias dos grandes centros urbanos e em regiões remotas ela afirmou que "o que fixa é a residência médica, remuneração adequada e condições técnicas e tecnológicas para o médico trabalhar".

Ainda sobre a relação de oferta x demanda de médicos no País, o presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Roberto d’Avila, apresentou números sobre a desigual distribuição de médicos no Brasil. "A maioria está nos grandes centros urbanos e na faixa litorânea do Brasil", comentou. Ainda segundo d’Avila o estado que apresenta a melhor distribuição de médicos entre capital e interior é Santa Catarina, onde não há nenhuma cidade sem esse profissional. A pior distribuição está nas regiões Nordeste e Norte.

O secretário de comunicação e imprensa do Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp), João Paulo Cechinel, resumiu a preocupação dos participantes do Fórum em relação à qualidade da formação do médico e propôs a adoção de um sistema de avaliação continuada tanto dos cursos de graduação como na pós-graduação. "A avaliação deve envolver as escolas e os estudantes", destacou. Segundo ele, recente pesquisa realizada entre o período de 1965 a 2011, durante o qual a população brasileira cresceu 133% contra um crescimento de 770% no número de escolas de medicina hoje na casa de 181.

Também participaram do Fórum o presidente do Cremesp, Renato Azevedo, o presidente da APM, Jorge Curi, a presidente da Associação Brasileira de Ensino Médico (ABEM), Jadete Lampert, o superintendente do Iamspe, Latif Abrão, o representante da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, Paulo Elias, presidentes de sindicatos de médicos de vários estados, diretores de sociedades de especialidades e de associações de médicos residentes.

O II Fórum Nacional sobre Educação Médica contou com a organização da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), do Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp) e Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual (Iamspe). O encontro abriu as comemorações do cinquentenário do Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE), que acontece de 7 a 9 de julho, com a realização de um congresso sobre saúde do idoso.
Fonte : Simesp



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 950 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)