Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

SP: definidas especialidades e datas para suspensão do atendimento médico aos planos de saúde


Foto:
SP: definidas especialidades e datas para suspensão do atendimento médico aos planos de saúde
Entidades apresentam empresas que não abriram negociação para reajuste dos honorários médicos e entrarão no cronograma de suspensão


11/08/2011
A Comissão Estadual de Mobilização Médica, formada pelas três entidades médicas paulistas - Simesp, Cremesp e APM - apresentou durante coletiva de imprensa, nesta quarta-feira, dia 10, as empresas de planos de saúde que sofrerão suspensão de atendimento eletivo a partir de 1º de setembro, por meio de um rodízio de especialidades (veja abaixo quais serão as datas e especialidades). A escolha se justifica pelo falta de respostas dessas operadoras em abrir negociação com os médicos no reajuste de honorários. O atendimento de urgência e emergência será mantido.

Inicialmente, são 12*: Ameplan, Assefaz, Cetesb, Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), Green Line, Intermédica, Mediservice, Notredame, Porto Seguro, Prosaude, Vale e Volkswagen.

Outras três, que estavam programadas para a suspensão, foram poupadas porque enviaram propostas nas últimas 24 horas. Essas propostas ainda serão analisadas pela Comissão. São elas: Care Plus, Cesp e Marítima.

A Comissão também apresentou as empresas que abriram negociação. São elas: Abet, Amil, Blue Life, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Cassi, Dix, Embratel, Fundação Saúde Itaú, Gama Saúde, Geap, Golden Coros, Medial, Metrus, MPU, Petrobras, Prodesp, Sabesprev, Metrus e Sul América.

Os representantes das entidades médicas destacaram o caráter do movimento de viabilizar o trabalho médico na saúde suplementar e a assistência ao paciente, que acaba sendo prejudicado pela relação desigual entre médico e operadora. "É preciso que fique claro que estamos tendo uma posição de defesa dos pacientes. Nossa função é atender e acolher os doentes e as operadoras de planos de saúde dificultam isso ou impedem em várias circunstâncias, e isso constitui um risco grave para o paciente", destacou Cid Carvalhaes, presidente do Sindicato dos Médicos de São Paulo.

Para Carvalhaes, o paciente sabe dessas questões do ponto de vista afetivo, porque sente as dificuldades no dia a dia, mas também precisa saber do ponto de vista técnico, para que ele cobre da empresa que contratou o que é de obrigação legal. Segundo ele, a imprensa é fundamental para que essas questões cheguem à população.

Vale lembrar que a pauta de reivindicações do movimento estadual inclui, ainda: atualização dos procedimentos de acordo com a Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM); inserção do índice de reajuste anual nos contratos entre médicos e empresas; fim das interferências sobre a autonomia do profissional; critérios de admissão e demissão de médicos (credenciamento e descredenciamento); lista referencial proporcional ao número de pacientes das operadoras; negociação de valores de consulta e procedimentos regionalmente entre as partes com presença do Simesp.

"Os planos de saúde deixam de cumprir a lei, transferindo para o SUS o atendimento aos seus usuários", denuncia Carvalhaes. Segundo o presidente do Simesp, a lei 9656/98 veio para beneficiar os planos de saúde, sacrificando os pacientes e explorando os médicos e prestadores de serviço.

Renato Azevedo Junior, presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, confirmou que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) vem tomando posições claramente favoráveis aos planos de saúde. "Há diretores da ANS que foram diretores dessas empresas. Há aí um conflito de interesses. A Agência tem de cumprir seu papel regulador de Estado. Nós não gostamos de deixar de atender pacientes. Essa é uma ação desesperada, já que desde o ano de 2000 estamos tentando negociar", destacou Azevedo.

As lideranças lembraram aos jornalistas que houve um aumento de 151% aos usuários nesse período de 11 anos. E os médicos receberam cerca de 50%. "Os consultórios estão sendo fechados. Não há como manter um consultório recebendo em média R$ 35,00 por consulta", reforçou Carvalhaes. "As empresas estão tendo lucros exorbitantes e crescendo em cima da exploração do trabalho do médico", completou Azevedo.

Membro da Comissão Nacional de Saúde Suplementar, Florisval Meinão salientou que o sistema de rodízio por especialidade foi amplamente discutido em reuniões e adotado por não prejudicar o atendimento ao paciente. Segundo Meinão, 100% dos contratos entre médicos e operadoras, no que diz respeito ao reajuste anual, estão irregulares. "É uma forma de não prejudicar o paciente, mas ao mesmo tempo expor à sociedade como essas empresas desrespeitam os usuários", justificou.

Cid Carvalhaes também falou sobre a necessidade de se rever os critérios de credenciamento e descredenciamento, para que se tenha uma relação de médicos proporcional ao número de pacientes. "As empresas vendem o que não têm. Não existe solidez jurídica nos contratos assinados (com os pacientes)", ressalta o presidente do Simesp.

*a lista de empresas pode mudar conforme as negociações avancem.

Rodízio de especialidades - paralisação do atendimento

01 a 03 de setembro
Ginecologia e Obstetrícia

08 a 10 de setembro
Otorrinolaringologia

14 a 16 de setembro
Pediatria

19 e 20 de setembro
Ortopedia e Traumatologia

21 a 23 de setembro
Pneumologia e Tisiologia

28 a 30 de setembro
Cirurgia Plástica

A Anestesiologia acompanha o movimento, acompanhando as especialidades cirúrgicas mobilizadas.
Fonte : SIMESP



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1140 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)