Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

CE: situação do Hospital Walter Cantídio é discutida em Audiência Pública na Câmara Municipal de Fortaleza


Foto: Evilázio Bezerra
CE: situação do Hospital Walter Cantídio é discutida em Audiência Pública na Câmara Municipal de Fortaleza
O presidente do SIMEC, José Maria Pontes, participou da mesa do debate


24/08/2011
Estudantes e servidores da área da saúde da Universidade Federal do Ceará foram à Câmara Municipal de Fortaleza, na tarde desta terça-feira, 23, para debater a situação financeira do Hospital Universitário Walter Cantídio, que atualmente sofre com um deficit mensal de R$ 600 mil reais. O diretor do Hospital Universitário, Eugênio Lincoln, externou a indignação com o abandono da instituição, com sucateamento do equipamento. Para ele, esta é uma medida para justificar a privatização da unidade, que possui ainda uma dívida de R$ 20 milhões.

Durante o debate, estudantes e servidores do HU retrataram o sentimento contrário ao Projeto de Lei nº 1749/11, em tramitação na Câmara Federal, que cria a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EMBSERH) para gerir os Hospitais Universitários. A matéria, como destacou o presidente do Sindicato dos Médicos do Ceará, José Maria Pontes, é inconstitucional e ilegal, entregando um serviço público ao setor privado. "Se o projeto for aprovado nós voltaremos a ter a figura dos indigentes", apontou.

Eugênio Lincoln apontou para a redução dos investimentos nos Hospitais Universitários, que correspondia a 75% da arrecadação e hoje representa apenas 8%. Ele relatou ainda a falta de repasse de verbas e a dificuldade de convênio com a Prefeitura de Fortaleza e o Governo do Estado.
O vereador João Alfredo (PSOL), propositor do debate, salientou a importância da luta contra a privatização. Ele relatou os impactos da terceirização, e do investimento do dinheiro público no sistema privado. "Não falta dinheiro. O dinheiro está sendo aplicado para tornar os riscos mais ricos. A saúde é uma questão de prioridade dos governos", colocou.

O estudante de Medicina Francisco Maximiliano, do Diretório Central dos Estudantes, evidenciou que o principal problema do Hospital Walter Cantídio é a falta de financiamento, cobrando uma ação do reitor da Universidade Federal do Ceará para recuperar o hospital. Ele justificou ainda o porquê do sucateamento do HU, que dentre os serviços ofertados à população, é responsável por 50% das cirurgias cardiovasculares, transplantes e neurocirurgias.

Ao final do debate foi formada uma comissão para elaborar um documento sobre os posicionamentos manifestados na audiência pública, afim de enviar aos poderes Executivo e Legislativo Municipal, Estadual e Federal. Outro encaminhamento foi a elaboração de emendas ao Orçamento Municipal para o Hospital Walter Cantídio, proposta pelo vereador Salmito Filho (PT).
O debate contou com a presença do Sindicato dos Trabalhadores das Universidades Federais do Ceará (Sintufce), da Sociedade de Assistência da Maternidade Escola, da Comissão de Direito à Saúde da Ordem dos Advogados do Brasil - Seção Ceará, da Promotoria de Justiça do Estado.
Fonte : SIMEC



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 851 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)