Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Entidades querem estudo sobre a necessidade de mais médicos


Foto: SIMEPE
Entidades querem estudo sobre a necessidade de mais médicos
Para o presidente da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), Cid Carvalhaes, a concentração de médicos em determinadas regiões pode ser um dos motivos que possibilita o pensamento de escassez de profissionais.


19/09/2011
O Iº Congresso Nacional de Políticas Médicas encerrou nesta sexta-feira (16/09), as series de debates, abordando um assunto atualmente bastante polêmico – "Quantos Médicos o Brasil precisa?". Essa é uma questão amplamente discutida pelas entidades médicas nacionais e ainda é grande a necessidade de mais estudos e pesquisas para concluir essa indagação.

Na opinião do vice-presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Carlos Vital, que compôs esta mesa de discussão, é preciso levar em consideração a integralidade de qualificados serviços assistencial e dos financiamentos necessários para obtê-los, sem descartar a importância da construção do perfil profissional dos médicos relacionando a questões regionais do País. Ainda de acordo com ele, é complicado afirmar que o Brasil precisa de mais médicos, quando não se há uma base metodológica e cientifica que comprove essa necessidade.

Para o presidente da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), Cid Carvalhaes, a concentração de médicos em determinadas regiões pode ser um dos motivos que possibilita o pensamento de escassez de profissionais. "Continuamos defendendo a carreira médica e melhores condições de trabalho tendo em vista que estes fatores se melhor avaliados corresponderiam a solução de boa parte da centralização médica", explicou.

A discussão, portanto, deve ser mais estendida, pois existem diversas questões atreladas que precisam ser estudadas para definir a real demanda de serviços e profissionais no País. A formação do médico é, sobretudo de muita responsabilidade, e antes de pensar na quantidade é importante focar na qualificação. Em relação a abertura de novas escolas médicas, os representantes das entidades médicas, explicaram que é fundamental que haja qualidade e que os requisitos propostos pelo Ministério da Educação (MEC) seja rigorosamente seguidos, com a presença, é claro de hospitais escolas qualificados.

Segundo o presidente do CFM, Roberto D’Ávila, o assunto está diariamente no foco de discussões das entidades médicas. "O debate desta tarde foi rico em levantar a questão da má distribuição dos médicos no Brasil, temos muito que avançar para identificar essa real demanda. O que é certo é que o profissional precisa ser valorizado", finalizou.

Assista ao vídeo !
Fonte : Simepe



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 777 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)