Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar




Palavras-chave

Saúde precisa de regras estáveis de financiamento para garantir qualidade dos serviços, diz Padilha



21/10/2011
O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse hoje (20) que um dos principais desafios para a consolidação do Sistema Único de Saúde (SUS), mais de 20 anos após sua criação, ainda é a definição de regras estáveis para o financiamento do setor. O SUS foi criado pela Constituição Federal de 1988. Sem detalhar como ocorreria a obtenção desses recursos, Padilha defendeu que a estabilidade é fundamental para garantir a qualidade dos serviços num modelo de saúde universal.

No mês passado, a Câmara dos Deputados aprovou a regulamentação da Emenda Constitucional 29, que prevê percentuais mínimos de aplicação de recursos na saúde pela União, estados e municípios. O Parlamento, no entanto, rejeitou a criação da Contribuição Social para a Saúde (CCS), imposto cuja arrecadação seria destinada à área, de forma semelhante à Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), extinta em 2007. O texto ainda será avaliado pelo Senado.

"Enfrentamos, ao longo dos últimos anos, um conjunto de crises que sempre tensionam para a ideia dos cortes de gastos sociais e menores investimentos em saúde. A conquista de uma regra estável de financiamento, onde o crescimento da economia contribua permanentemente para financiar uma rede de proteção social e o conjunto do Sistema Nacional de Saúde é um grande desafio que precisa de muita mobilização para criar condições políticas e legitimidade para isso", disse, ao participar, no Rio de Janeiro, do segundo dia da Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da Saúde. O evento termina amanhã (21).

Em seu discurso em uma das mesas de debate, ele também defendeu melhorias no processo de formação de médicos e de outros profissionais da saúde no Brasil. Segundo o ministro, o modelo nacional ainda é baseado "no ideal liberal, privado, focado no conceito de que o bom profissional tem que ter seu consultório, que deve promover mais ações de saúde do que de prevenção". "Esse é um grande obstáculo que precisamos vencer para enfrentar o problema da desigualdade no país, tanto do ponto de vista social como regional", acrescentou.

Padilha também voltou a defender o uso de "todos os mecanismos possíveis" para garantir o acesso dos países a medicamentos e equipamentos necessários para enfrentar as doenças crônicas não transmissíveis, como hipertensão, diabetes e doenças cardiovasculares. "Não vamos enfrentar as doenças crônicas não transmissíveis se não usarmos todos os mecanismos possíveis para garantir o acesso a medicamentos e equipamentos pelos menores preços, de forma que [o acesso] seja sustentável a qualquer país do mundo."

O ministro ressaltou que só foi possível distribuir gratuitamente os antirretrovirais, fundamentais para o tratamento de pacientes soropositivos, porque metade dos medicamentos que os compõem já é produzida internamente, "a partir de ações firmes" que o governo brasileiro tomou, como a determinação de quebra de patentes.
Fonte : Agência Brasil



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 650 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)