Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Cremepe divulga relatório de fiscalizações em Unidades de Saúde da Família



20/12/2011
Todas as Unidades de Saúde da Família do Recife foram vistoriadas pelo Cremepe. Principais problemas encontrados foram a falta de estrutura e ausência de médicos

O Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) divulgou, na última segunda-feira (12), um relatório consolidado das fiscalizações realizadas nas Unidades de Saúde da Família (USFs) nos anos de 2010 e 2011. O trabalho, intitulado de O Médico na Atenção Primária em Saúde: Um Olhar sobre as Unidades de Saúde da Família do Recife, visitou 121 unidades e analisou a dinâmica de 251 equipes.

"O estudo é um olhar sobre o papel do médico, das suas rotinas e dos processos. Não nos limitamos em realizar apenas uma fiscalização clássica nas unidades", afirmou Helena Carneiro Leão, presidente do Cremepe.

Entre as principais conclusões apontadas no estudo estão: a estrutura dos imóveis é, geralmente, precária, com infiltrações e mofo, e não apresentam boa acessibilidade aos usuários e equipes, principalmente em dias de chuva. "Há algumas que são insalubres", disse o médico fiscal do Cremepe, Otávio Valença. As salas de espera, de acordo com estudo, são inadequadas (86%).

O acolhimento, instituído como dispositivo de organização da demanda no Recife, não conta com a presença de médico e não possui uma sala exclusiva em 77% das unidades. Já a sala de atendimento pré-consulta é inexistente em 76% das USFs.

Um aspecto positivo apontado pelo trabalho foi a higiene das salas de vacinação. A grande maioria delas (86%) teve bom desempenho nesse item, embora tenham apresentado outras falhas como a ausência de bancada para aplicação de vacinas em crianças e adolescentes, além de maca para adultos. "Apesar de as salas serem limpas, a rotina de esterilização é frágil. Não há segurança na higiene dos materiais", aponta Valença.

O funcionamento das farmácias é considerado bom, com estoque de medicamentos bem armazenado (50%). Por outro lado, o preenchimento do prontuário médico, documento essencial tanto para o médico quanto para o paciente, é precário. Quarenta e seis por cento são mal preenchidos. "Já presenciei um médico atender 40 pessoas em uma hora e meia", revelou Valença. A falta de profissionais nas unidades, segundo ele, dificulta o correto preenchimento do documento. Além disso, há pouco vínculo entre médicos e comunidades, bem como pouca disponibilidade dos profissionais, de acordo com o estudo.

O secretário de Saúde do Recife, Gustavo Couto, esteve presente durante a apresentação do relatório e prometeu analisar as questões apontadas. "É preciso estreitar a relação entre prefeitura e entidades". Mas, segundo ele, uma houve uma melhora significativa nos últimos anos. "Há 10 anos precisávamos colocar unidades de saúde em todo lugar. E fizemos. Agora precisamos construir um padrão", admitiu Couto.

O consenso entre entidades e prefeitura foi a criação de uma rede. "Sem complexo regulatório, dificilmente vamos dar certo", concluiu Couto. "A construção de um sistema de rede é essencial", finalizou Helena Carneiro Leão.

O estudo foi produzido pela equipe técnica do departamento de fiscalização do Cremepe, sob a orientação dos conselheiros José Carlos Alencar e Roberto Tenório, vice-presidente e 2º secretário, respectivamente.
Fonte : SIMEPE



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 784 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)