Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Acordo suspende greve dos médicos em Caxias do Sul


Foto: divulgação/Cremers
Acordo suspende greve dos médicos em Caxias do Sul
Assinatura do acordo teve a participação de Marlonei Silveira, presidente do Sindmed, Fernando Matos, presidente do Cremers, Edson Nespolo, chefe de gabinete, e Lauri Sila, procurador geral do município


06/01/2012
Após quase nove meses de greve, a diretoria do Sindicato dos Médicos de Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, assinou acordo com representantes da prefeitura para suspender a paralisação por 11 meses. O documento foi assinado no dia 27 de dezembro e prevê o fim das terceirizações, a admissão por concurso público, carga horária de 12 horas semanais, com vencimento básico de R$ 2.300, gratificação de 60% sobre o salário básico na emergência, criação de um nível só para médicos e o ressarcimento dos descontos efetuados durante três meses, em parcela única, já na folha de pagamentos de janeiro, entre outros itens.

"Foi o acordo possível para o sindicato, em razão das circunstâncias - julgamento, multa, penhora e bloqueio de contas. Em hipótese alguma colocaria em risco o patrimônio da entidade. O acordo apresenta alguns componentes da nossa luta: fim das terceirizações, concurso público, criação de um nível só para os médicos. O piso, se não é o que reivindicamos, é razoável para as condições. Entretanto, o acordo não contempla no seu todo aos atuais médicos, os que fizeram a greve. A prefeitura se negou, alegando impossibilidade legal de fazer a isonomia dos atuais médicos com o valor e com a carga horária previstos, o que causou descontentamento entre muitos colegas", assinalou Marlonei Silveira dos Santos, presidente do Sindicato dos Médicos de Caxias do Sul. Ele acrescentou que a greve "foi uma batalha dura" e que a prefeitura "jogou pesado, sempre usando seu poder e prestígio". "Mas o sindicato, em momento algum, se acovardou ou se apequenou, somente aceitou o acordo, procurado pela própria Prefeitura, porque a situação era grave", justificou o dirigente.

Marlonei Silveira fez questão de ressaltar a participação do Conselho Regional de Medicina (CREMERS), que, segundo ele, atuou ativamente como mediador e colaborou com logística. "Contamos com a presença constante do presidente do Conselho, Fernando Matos, que, inclusive, assinou o acordo como testemunha. Registro também a colaboração dos colegas José Roberto Cardoso Murisset e Antonio José Francisco Pereira dos Santos, diretor e secretário de Assuntos Jurídicos da FENAM, em eventuais consultorias que fizemos", afirmou o dirigente.

O acordo prevê o seguinte:

1 – Fim das terceirizações, admissão por concurso público, com edital tão logo a Câmara de Vereadores aprove o projeto de lei.

2 – Criação de um nível dentro do quadro de funcionários somente para médicos (hoje, o médico está no padrão 14 junto com os demais funcionários de nível superior).

3 – Carga horária de 12 horas semanais (atualmente é de 20 horas)

4 – Vencimento básico para 12 horas de R$2.300,00

5 – Reajuste trimestral de acordo com a política salarial do município.

6 – O médico poderá optar por 20 horas, fazendo 8 horas extras, totalizando R$4.400,00

7 – O médico também poderá optar por 24 horas semanais, recebendo o básico proporcional de R$4.600,00

8 – Gratificação de 60% sobre o salário básico na emergência

9 – R$247,00 de bônus no trabalho em domingos e feriados na emergência.

10 – Ressarcimento aos médicos dos descontos efetuados por três meses, em parcela única já na folha de janeiro de 2012. Em contrapartida, todos compensaram os dias não trabalhados, atendendo dois pacientes a mais na agenda diária por 11 meses.

11 – Suspensão de todos os processos que estão tramitando em todas as instâncias, por onze meses (inclusive o da multa, com levantamento da penhora e do bloqueio das contas do sindicato).

12 – Criação de uma comissão paritária de acompanhamento dos trabalhos no período do acordo.

A greve

O movimento grevista teve início em abril de 2010, quando, em assembleia geral, os médicos vinculados ao SUS, na época 380 profissionais - atualmente são 200 por conta de pedidos de demissão, licenças e dispensa de terceirizados -, decidiram pela paralisação. No terceiro dia da greve, que, de acordo com Marlonei Silveira, começou com 90% de adesão, a prefeitura conseguiu uma liminar na Justiça, suspendendo a paralisação.

"Recorremos, mas o agravo só foi julgado em agosto de 2010, quando conseguimos efeito suspensivo da decisão de primeira instância e reiniciamos a paralisação. O mérito na primeira instância foi julgado em novembro de 2010, data em que a greve foi julgada ilegal e suspensa imediatamente. Só conseguimos que o Tribunal concedesse efeito suspensivo da decisão de mérito da primeira instância em abril de 2011, quando então reiniciamos a paralisação. No acórdão, o Tribunal determinou que permanecessem nas unidades, no mínimo, 50% do efetivo médico. Cumprimos rigorosamente a decisão. A prefeitura negou-se a abrir o diálogo", explicou o presidente do sindicato.

Marlonei Silveira acrescentou que em junho de 2011 a prefeitura começou a descontar as horas não trabalhadas pelos grevistas. Os descontos permaneceram por três meses, quando então o sindicato conseguiu uma liminar na Justiça local que determinou a suspensão dos descontos.

"Em agosto, a prefeitura, ardilosamente, nomeou uma comissão de três funcionários para verificar se a ordem judicial de 50% dos médicos estava sendo cumprida. Maliciosamente e deliberadamente, a comissão compareceu nas unidades meia hora antes do fim do expediente, quando já não havia mais médicos. Só que essa situação não é privilégio de Caxias, o não cumprimento de carga horária ocorre no Brasil todo e a situação identificada pela comissão em nada tinha ver com a greve. Entretanto, apesar dos nossos argumentos e do parecer contrário do Ministério Público, a Justiça local aplicou ao sindicato uma multa de 220 mil reais. Recorremos, mas, inexplicavelmente, o Tribunal confirmou a multa. Também pedimos a intermediação da Comissão de Saúde da Assembléia Legislativa do Estado e da União de Associação de Bairros, quando então foi realizada uma audiência pública. A decisão foi de que o MP deveria convocar uma reunião entre sindicato e prefeitura e tentar a abertura de diálogo. Da reunião com o MP, resultou a abertura do diálogo e então formou-se uma comissão paritária entre sindicato e prefeitura. Nós nos reunimos durante 45 dias, até o fim de outubro. Das reuniões, surgiu uma proposta semelhante a do acordo que foi firmado, mas que não foi aceita pelos médicos porque não contemplava em tudo os médicos atuais, mas, principalmente, os que seriam contratados após o acordo. O mês de novembro foi silencioso. Em 14 de dezembro foi realizado o julgamento do mérito da greve pelo Tribunal. Três desembargadores participaram. Os dois primeiros votos foram pela ilegalidade. O terceiro desembargador, alegando que necessitava aprofundar o estudo do processo, pediu vistas e o julgamento foi interrompido. Dois dias depois um oficial de justiça compareceu no sindicato e penhorou a sede e no dia seguinte as contas bancárias da entidade foram bloqueadas, via Banco Central, por ordem judicial atendendo petição da prefeitura, tudo para garantir o pagamento da multa. No dia 16 de dezembro estávamos com um julgamento de mérito interrompido, com dois votos contrários e um pendente, com resultado final que seria de 3x0 ou 2x1, com uma multa de 220 mil, com penhora da sede e com bloqueio das contas. No dia 19 de dezembro, a prefeitura chamou o sindicato para dizer que, apesar das vitórias obtidas, queria fazer um acordo, pois o fim da greve, por decisão judicial, não resolveria o grave problema do atendimento do SUS no município, principalmente na emergência, onde havia apenas 30% do efetivo. Assim, reunimos a Comissão de Greve e falamos sobre a preocupação e a responsabilidade para com o patrimônio do sindicato. A Comissão foi sensível e decidimos negociar uma última melhoria no acordo. Em 27 de dezembro assinamos o acordo", concluiu o presidente do Sindicato dos Médicos de Caxias do Sul.
Fonte : Denise Teixeira



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1744 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)