Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar




Palavras-chave

Presidente do SIMEAM responde nota divulgada pelo secretário de saúde do Amazonas



16/01/2012
A assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Saúde divulgou nota, na última sexta-feira (13), se posicionando sobre a greve dos médicos e considerando a decisão da categoria "intempestiva". Acompanhe abaixo a resposta do presidente do Simeam, Mario Vianna, ao secretário de Estado de Saúde, Wilson Alecrim.

Posicionamento Susam

O secretário de Estado de Saúde, Dr. Wilson Alecrim, considerou "intempestiva" a decisão dos médicos de paralisar o atendimento à população, embora já existisse o indicativo de greve. Segundo Alecrim, o Governo do Amazonas e o Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam) encontravam-se em plena negociação e, em nenhum momento, a Secretaria de Estado da Saúde (Susam) deixou de receber a direção do Sindicato ou prestar as informações solicitadas. O Comunicado de Greve foi protocolado pelo Simeam nessa sexta-feira, às 14h37, na sede da Susam.

Resposta Simeam

As negociações foram iniciadas pelo Simeam, oficialmente, no inicio de maio de 2011 e continuam. Entretanto, não avançaram, principalmente, na questão da implantação do Piso Nacional.

Posicionamento Susam

De acordo com o secretário da Susam, no último dia 3, terça-feira, representantes do Sindicato e da Secretaria estiveram reunidos para discutir a atual pauta de reivindicações e o resultado das negociações foi reiterado em ofício encaminhado ao Simeam na última quinta-feira, 12 de janeiro.

Resposta Simeam

De fato fomos recebidos no dia 3 de janeiro, mas não tivemos resposta para a implantação do Piso. No último dia 12, recebemos oficio do Sr. Secretário, minutos antes da Assembleia Geral Extraordinária (AGE) iniciar a greve. Ao nosso ver, não oferecia nenhuma resposta concreta.

Posicionamento Susam

Alecrim destaca que no dia 30 de dezembro de 2011, os 1.494 médicos do sistema estadual de saúde receberam, em folha complementar, reajuste de 8% retroativo a maio, o que representou um montante de R$ 5 milhões. O percentual foi superior à média nacional com aproximadamente 2% de ganhos reais.

Resposta Simeam

O percentual de 8% se refere a reposição de perdas salariais pagas a todas as categorias da saúde e demais funcionários do Estado, não tendo sido, inexplicavelmente, não aplicado aos médicos. Portanto, foi justo o pagamento retroativo das "perdas" salariais. O ganho real como foi dito para os funcionários foi de 1,5%.

Posicionamento Susam

Quanto às demais reivindicações, o secretário esclarece que o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração (PCCR), conforme informado na última reunião com o Simeam, está em fase final para realização de enquadramento, o que poderá ser feito no período de uma semana. Para Alecrim, o PCCR representa uma das maiores conquistas da categoria nos últimos 20 anos.

Resposta Simeam

Nada mais do que justo por ser uma luta de mais de 20 anos e o PCCV ter sido aprovado em julho de 2009, e, até agora não ter havido o Enquadramento, trazendo grave prejuízo funcional e financeiro aos médicos, que deverá também ser resposto de forma retroativa.

Posicionamento Susam

Sobre o Piso Salarial nacional reivindicado pelos médicos, o secretário informa que o valor proposto pela Federação Nacional dos Médicos ainda não foi viabilizado em nenhum estado do País. No Amazonas, a implantação do Piso no valor de R$ 9.188,22 representaria um aumento de 109% sobre a atual remuneração, que varia de R$ 4.428,00 a R$ 5.479,87 por 20 horas semanais, para os médicos que atuam na capital, com acréscimo de Gratificação de Localidade, entre R$ 1.080,00 e R$ 1.350,00, para os que atuam no interior.

Resposta Simeam

O piso nacional é uma luta de todos os Estados brasileiros bem como apoiada pelas entidades Médicas nacionais. Alguns estados já pagaram próximo ao piso, outros estão em processo de escalonamento (Nossa proposta de implantação) e em algumas outras situações como no nosso próprio Estado, se paga acima, como e o caso de algumas cidades do interior onde foram contratados colegas via Susam com salários de até R$: 23.000, sendo deste valor total R$: 11.000, como gratificação de especialidades, o que poderá virar objeto de demanda judicial para esse pagamento a todos especialistas do Estados, baseado na premissa da isonomia.

Posicionamento Susam

Reafirmando que a pauta de reivindicações está sendo atendida e que o Governo do Amazonas sempre esteve aberto às negociações com a categoria, Wilson Alecrim lamenta que a decisão pela paralisação tenha sido tomada no momento em que são esperados aumentos na ocorrência de doenças próprias da estação, incluindo-se as viroses, como gripe e dengue, além de meningite, que costuma aumentar neste período do ano.

Resposta Simeam

Lamentamos também a ausência de uma proposta concreta para o Piso Nacional. Continuamos abertos a negociações e entendemos nosso compromisso com a sociedade enquanto médicos, mas a responsabilidade pela desassistência à população não pode ser imputada aos médicos, e sim ao Estado constitucionalmente responsável pela Saúde Publica.

Posicionamento Susam

Para evitar que a população seja penalizada, o secretário informa que a Susam irá avaliar o impacto da paralisação e adotará as providências cabíveis, evitando que os pacientes fiquem sem assistência.

Resposta Simeam

O Estado, como dito na resposta anterior, tem essa obrigação. Por fim, o Simeam quer pontuar que respeita a autoridade do poder público e tem feito toda a mobilização dentro da legislação e de forma ordeira, respeitando o princípio de boas relações sociais. Fazemos questão de afirmar que o Sr. Secretario Wilson Alecrim sempre nos recebeu com toda cordialidade e respeitamos e admiramos no mesmo sua qualificação técnica como médico, que é reconhecida nacionalmente e internacionalmente, como também reconhecemos nele uma grande capacidade administrativa.

Pedimos a compreensão da população, que ela nos ajude a melhorar e dar a assistência à saúde que ela merece. Apoiando, assim, os médicos do Amazonas que buscam na verdade ‘’Dignidade Profissional", a qual todo trabalhador tem direito, segundo Carta Magna Brasileira e as resoluções da Organização Internacional do Trabalho.
Fonte : SIMEAM



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 798 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)