Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Florianópolis: médicos suspendem consultas por três dias



29/05/2012
Os médicos da prefeitura de Florianópolis suspenderão o atendimento por três dias na semana. Nesta terça, quarta e quinta-feira (29, 30 e 31/05) as consultas foram desmarcadas nos mais de 50 postos de saúde da rede municipal. Somente serão realizados os atendimentos nas UPAs norte e sul. O movimento é o terceiro realizado neste mês de maio e é a forma de pressionar a administração municipal a concluir o projeto de lei que após aprovado pelos vereadores e divulgado no Diário Oficial suspenderá o desconto ilegal que está sendo realizado na Gratificação do Programa de Saúde da Família (PSF).

Como nas outras paralisações, os médicos irão às UPAs reforçar o atendimento, panfletar e conversar com os pacientes sobre os motivos da paralisação. O desconto ilegal e os baixos salários pagos pela prefeitura da capital são os responsáveis pela evasão de mais de 100 médicos da rede municipal num período de um ano e meio. Nos últimos meses a prefeitura realizou seis processos seletivos mas não conseguiu as contratações necessárias para superar os problemas de espera dos pacientes.

Na terça, quarta e quinta-feira os médicos ficarão pela parte da manhã nas UPAs norte e sul e também no centro de saúde de Coqueiros. Na terça-feira à tarde realizam panfletagem no centro de Florianópolis. Na quarta à tarde, parte dos médicos volta a realizar panfletagem no centro e outra equipe irá apoiar os médicos delegados pelo Sindicato dos Médicos de Santa Catarina (SIMESC) que participa da segunda reunião da comissão que elabora o projeto de lei. Na quinta, a partir das 14h, os médicos participam de assembleia no hotel Floph quando definem os rumos do movimento. A expectativa é de que os médicos só suspendam as paralisações pontuais quando o decreto for publicado em diário oficial.

Nas duas primeiras paralisações realizadas em maio o movimento teve 90% de adesão dos médicos. A negociação com a prefeitura de Florianópolis iniciou em abril de 2011. Em março de 2012, a prefeitura deu garantias de que o problema estava garantido, quando os médicos então decidiram em assembleia que iriam aguardar a assinatura de um decreto que suspenderia o o desconto. Após 40 dias de espera, os médicos foram informados que somente uma nova lei poderia regulamentar o pagamento da gratificação do PSF. "Observamos que os dirigentes municipais só se agilizaram com as paralisações e por isso a tendência é de que essa mobilização persista até que tudo esteja resolvido", afirma o presidente do SIMESC, Cyro Soncini.

Os demais atendimentos nos postos de saúde, incluindo as atividades da campanha de vacinação da Gripe A permanecem normais.
Fonte : SIMESC



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1109 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)