Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Comissão Nacional de Residência Médica se reúne em Natal


Foto: Sinmed/RN
Comissão Nacional de Residência Médica se reúne em Natal
A comissão fiscaliza e rege as residências médicas do país, entre outras atividades.


26/07/2012
O Rio Grande do Norte recebe a VI sessão plenária de 2012 da Comissão Nacional de Residência Médica, no Hospital Universitário Onofre Lopes, de 24 a 26 de julho. Participam da reunião representantes de entidades médicas nacionais, associação de residentes, representantes do governo, além das comissões regionais, que debatem durante os três dias temas para a melhor qualificação e formação do médico brasileiro.

A Comissão Nacional de Residência Médica foi criada em 1977, pelo Decreto n nº 80.281, o mesmo que instituiu a residência médica como modalidade de ensino de pós-graduação, sob a forma de curso de especialização. A comissão fiscaliza e rege as residências médicas do país e, entre outras atividades, faz avaliações de credenciamento de cursos, de desempenho, concessão do titulo de especialista e tem a preocupação constante com a especialização do médico.

De acordo com Gilmar Amorim de Sousa, Presidente da Comissão Estadual de Residência Médica, a Comissão Nacional é "formada por pessoas comprometidas com a melhoria da saúde da população". Uma vez que, "formando um profissional com mais qualidade, melhoramos a qualidade do atendimento a pessoas que usam o sistema de saúde".

O presidente da Comissão estadual afirma ainda que esta reunião é um marco histórico, pois é a primeira a acontecer no RN e traz novos conhecimentos e caminhos para estimular os alunos e os preceptores a acreditarem e participarem dos programas oferecidos no estado. "É um momento que vai render frutos para a universidade e para a região", completa.

Atualmente o Rio Grande do Norte oferece 57 programas de residência médica, em 13 instituições formadoras (entre federal, estadual, privadas e filantrópicas). São 311 vagas autorizadas anualmente pelo MEC, mas tem hoje em dia 224 residentes, apresentando ainda um potencial de crescimento de 28%. E as especializações mais procuradas são clínica médica, dermatologia e radiologia.

A Comissão Nacional tem feito suas sessões plenárias ordinárias de forma itinerante com mais constância a partir deste ano, o que é visto de forma bastante positiva pelos membros da Comissão, como declara Geraldo Ferreira, presidente do Sindicato dos Médicos do RN e da Federação Nacional dos Médicos: "Quando a Comissão se desloca para os estados permite uma avaliação mais aprofundada da realidade local e há a possibilidade de se fazer um comparativo com a realidade nacional, além de permitir aos que cuidam da residência no RN uma maior interação com o plano nacional".

Uma preocupação para a Fenam é a concentração do número de vagas para residências médicas nas regiões sul e sudeste do país, o que implica em diminuição do número de especialistas nas outras regiões do Brasil.

O Secretário de Formação Profissional e Residência Médica da Fenam, Jorge Eltz, afirma que a entidade procura contribuir para a qualificação e a ampliação da residência médica no país. "Estamos construindo junto com a Comissão para ampliar e qualificar a residência médica para que o especialista seja bem formado".

Pensamento que é corroborado pelo Secretário de Finanças da entidade, Cid Carvalhaes, "a Fenam, tradicionalmente, tem compromisso com a formação do médico desde a graduação até a sua pós-graduação. A formação e a qualificação do médico são debates sempre presentes, pois nos preocupamos e exigimos que os programas de residência sejam mais apurados, mais adequados, e que se tenha mais vagas no país", afirma.

Atualmente o Brasil tem 26 mil médicos residentes nas mais diversas áreas de especialidade. Para Beatriz Costa, Presidente da Associação Nacional dos Médicos Residentes, a ampliação do numero de vagas é importante sim, mas com cautela.

"Visamos o aumento de vagas de residência médica, com qualidade. Tem que ter condições. E não o aumento de vagas indiscriminadas como acontece nos cursos de medicina". E completa "todo serviço que tem residência médica, é um serviço diferenciado".

Para os presentes na reunião, o Rio Grande do Norte tem atualmente a necessidade de oferecer programas de residência em ortopedia, pois há uma enorme carência no estado. É constatado que existe dificuldade em trazer especialistas de outros estados, porém, sabe-se que a residência médica acaba fixando médicos na região em que o curso é ofertado.
Fonte : Sinmed-RN



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1336 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)