Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Senador faz alerta sobre desinteresse dos médicos pela pediatria



09/08/2012
O senador Paulo Davim (PV-RN) advertiu o país sobre a grave situação da pediatria no Brasil. Poucos médicos se interessam pela especialidade, uma das mais importantes. Relatando conversa que teve com o presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria, Eduardo da Silva Vaz, o senador – que também é médico – enumerou uma série de providências que precisam ser tomadas com urgência.

De acordo com ele é preciso instalar atendimento ambulatorial de rotina para crianças nos pronto-socorros; ter a presença de um pediatra nas equipes de Programa de Saúde da Família; valorizar a puericultura (cuidados básicos com crianças de cinco anos ou menos); e estimular novos médicos a escolher essa especialidade, fazendo com que também deixem as grandes cidades em busca das menores.

- É importante olhar com mais zelo e cuidado para assistência à criança. Daqui há pouco praticamente não teremos pediatras, e, então, as crianças brasileira serão atendidas por quem?

Ele tomou grande parte do pronunciamento feito no Plenário na tarde desta quarta-feira (8) explicando os motivos da falta crônica de pediatras nas cidades distantes das grandes metrópoles. De acordo com ele há 36 mil pediatras no Brasil, a maior parte trabalhando nos grandes centros urbanos, onde é possível ganhar melhor, em condições mais dignas e seguras. Três em cada quatro profissionais dessa área, segundo ele, são mulheres.

- Os pediatras estão mal distribuídos pelo interior e muitos estão insatisfeitos porque as condições de trabalho são inadequadas e há sobrecarga de horas – denunciou Davim.

Ele lamentou o fato de há 15 dias ter sido fechada uma unidade de urgência em pediatria no Rio Grande do Norte por falta de médicos dessa especialidade para cumprir a escala, já que parte da equipe se aposentou e não houve substituição. Segundo ele, o problema no Rio Grande do Norte existe também em outros estados.

Davim contou que a demanda de crianças no sistema público de saúde é muito grande, porque 83% das crianças brasileiras dependem dos hospitais públicos, e apenas 17% são aparadas assistência ao plano de saúde. Ele também destacou o considerável índice de mortalidade infantil, com média 15,6 mortes por mil nascidos vivos, mas chegando a 30 por mil em algumas regiões.

Também médico, o senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) fez um aparte ao pronunciamento de Paulo Davim confirmando que a pediatria não é uma área cobiçada por novos médicos por causa de baixa remuneração e falta de condições de trabalho.
Fonte : Agência Senado



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 927 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)