Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

500 mil assinaturas já foram recolhidas para destinar mais recursos para a saúde



30/08/2012
Entidades médicas e de outros segmentos da sociedade civil já conseguiram recolher em todo o País cerca de 500 mil assinaturas de apoio a um projeto de lei de iniciativa popular que propõe investimento de no mínimo 10% da receita corrente bruta da União na saúde pública.

No início deste ano, a presidente Dilma Rousseff sancionou a Lei Complementar 141/12 , que fixa os percentuais mínimos a serem aplicados na área pelo governo federal, pelos estados e pelos municípios. A lei regulamenta a chamada Emenda Constitucional 29.

De acordo com a lei, os estados e o Distrito Federal devem investir pelo menos 12% de sua receita, enquanto os municípios devem investir 15%. Já a União deve aplicar na saúde o valor empenhado no ano anterior, mais a variação nominal do Produto Interno Bruto (PIB).

Fonte perene de financiamento
Segundo o deputado João Ananias (PCdoB-CE), integrante da Frente Parlamentar da Saúde e apoiador da campanha, a fixação de 10% da receita corrente da União representaria cerca de R$ 60 bilhões a mais por ano para o setor. "Também garantiria uma fonte permanente, uma fonte perene de financiamento para a saúde, que não temos hoje. Nós temos uma fórmula provada, que não garante os recursos necessários." Em 2011, a Receita Corrente Bruta da União foi de aproximadamente R$1.040 bilhões.

O presidente da Associação Médica Brasileira, Florentino Cardoso, endossa que as esperanças depositadas na Emenda Constitucional 29 não se tornaram realidade. "Havia uma esperança, uma expectativa enorme de melhorar o financiamento da saúde pública, o que de fato não ocorreu."

O dirigente enfatiza que o projeto de lei define que a União tenha um percentual mínimo de investimento na saúde pública brasileira porque é o ente que mais arrecada impostos. "Então, a União precisa dar uma parcela maior de contribuição em termos de recursos, porque a saúde pública brasileira agoniza e a principal causa é o subfinanciamento."

Durante a discussão no Congresso do projeto que resultou na lei complementar de regulamentação da Emenda 29, já havia a intenção de estabelecer o investimento da União na área da saúde em 10% da receita corrente bruta. A ideia, porém, foi rejeitada no Senado. Na ocasião, o governo condicionou a aceitação desse percentual à aprovação de um novo tributo para financiar o setor, nos moldes da extinta Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira, a CPMF, na época também conhecida como imposto do cheque.

Liderado pela Associação Médica Brasileira, Ordem dos Advogados do Brasil e Academia Nacional de Medicina, o projeto de lei de iniciativa popular precisa de, no mínimo, 1,5 milhão de assinaturas, distribuídas em pelo menos cinco estados, para ser apresentado à Câmara dos Deputados.
Fonte : Agência Câmara



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 767 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)