Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Campanha da FENAM vai combater precarização das condições de trabalho



04/09/2012
A Federação Nacional dos Médicos (FENAM) vai iniciar um movimento nacional contra a precarização das condições de trabalho dos médicos em todo País. As ações incluem articulação com as superintendências regionais do Trabalho nos Estados para fiscalização de hospitais públicos e privados e também o ingresso de ações judiciais nos casos mais graves. Além disso, a Fenam vai posicionar publicamente contra as condições sub-humanas a que são submetidos os profissionais de saúde em hospitais e fundações, o que configura violação dos direitos humanos.

A campanha deve começar pelo Rio Grande do Norte onde haverá protestos no dia 7 de setembro. O tema será 'Independência sem saúde?'.

A FENAM vai elaborar uma cartilha com os direitos e deveres dos médicos nos locais de trabalho para orientar os profissionais e facilitar a identificação dos casos que violem os direitos humanos. Em muitos hospitais do País médicos e demais profissionais de saúde são submetidos a condições precárias como a falta de banheiros, de água, alimentação de péssima qualidade e locais de descanso e de trabalho totalmente insalubres.

A decisão da FENAM foi tomada em encontro da entidade com os sindicatos médicos, realizado na semana passada em Brasília. O Pará foi representado pelos diretores Wilson Machado e Waldir Cardoso que além de ser diretor do Sindmepa faz parte também da direção da Federação.

Além da precarização do trabalho, os médicos decidiram intensificar a campanha nacional para coleta de assinaturas de apoio ao projeto de iniciativa popular que propõe a destinação de 10% das receitas da União para a Saúde. Já foram coletadas cerca de 500 mil assinaturas, mas são necessárias 1,5 milhão. A coleta está sendo feita por meio do site da Associação Médico Brasileira (http://www.amb.org.br).

A FENAM se posicionou também contra a realização de exames de ordem para os médicos e mesmo contra medidas como a tomada pelo Conselho Regional de Medicina de São Paulo que está aplicando provas com objetivo de avaliar as egressos como condição para liberar o registro. 'Somos contra. As faculdades, os professores e os alunos devem ser avaliados durante o curso e não depois que o médico já está com o diploma na mão', argumenta o diretor do Sindmepa, Wilson Machado. Na mesma reunião, a Fenam demonstrou preocupação com a Empresa Brasileira Serviços Hospitalares, criada pelo governo federal para privatizar os serviços e que ameaça a autonomia dos hospitais federais, em especial, os universitários.
Fonte : Sindmepa



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 824 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)