Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar




Palavras-chave

Com debate sobre aborto e reprodução assistida, termina II Congresso Brasileiro de Políticas Médicas



19/09/2012
O último dia do II Congresso Brasileiro de Políticas Médicas, que aconteceu entre os dias 12 e 14 de setembro no Rio de Janeiro, recebeu o ex-ministro da Saúde José Gomes Temporão. A mesa de debates foi marcada por discussões em torno de temas polêmicos como a descriminalização do aborto, sob a ótica médica, e a reprodução assistida em casais homoafetivos.

Temporão explorou em sua conferência o aborto como problema de saúde pública e destacou o Projeto de Lei nº 478/07 que dispõe sobre o Estatuto do Nascituro e sobre os abortos clandestinos. "Quando estava à frente do Ministério, acompanhei a aprovação do novo Código de Ética Médica. Algumas das questões mais complexas envolvem o consumo abusivo de álcool e outras drogas e o aborto."

O ex-ministro disse, ainda, que o aborto deve ser prioridade quando se trata de saúde e salientou que, para evitar a gravidez indesejada, se deve recorrer à educação, proporcionando às mulheres acesso à informação e aos métodos anticoncepcionais. Ele também enfatizou a importância do planejamento familiar.

Em seguida, a plenária se dedicou a análise de aspectos relacionados à reprodução médica assistida. Em sua participação, o médico Olímpio Barbosa Filho, representante da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), apresentou dados sobre o aborto no Brasil e tornou claro seu apoio a descriminalização a favor da saúde da mulher.

Já Adelino Amaral Silva, presidente da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida, tratou da reprodução assistida entre casais homoafetivos. "Mesmo sem legislação específica para a reprodução médica assistida, inclusive, para os casos homoafetivos, a técnica é universal", finalizou.

Concluindo o ciclo de debates, o conselheiro Carlos Vital, vice-presidente do CFM, abordou diferentes dimensões das técnicas de reprodução assistida, ressaltando os pontos favoráveis e negativos. Ao final, ele salientou que "a medicina é uma ciência magnânima, mas limitada pelas liberdades efêmeras. Temos aqui a oportunidade de fazer um mundo melhor para esta e para as futuras gerações".

Os 27 Conselhos Regionais discutiram durante os três dias do Congresso, realizado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e apoiado pelo Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj), questões sobre o futuro da medicina em comunhão com as expectativas da sociedade perante a legislação e as resoluções médicas. Os encaminhamentos deverão subsidiar futuros debates e decisões no âmbito do sistema conselhal. Todas as apresentações estão disponíveis no site de eventos do CFM.
Fonte : CFM



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 659 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)