Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Sindicatos pedem segurança para médicos



20/09/2012
O assassinato no último domingo (15) da médica do Hospital Getúlio Vargas Sônia Maria Santanna Stender reabre a discussão da adoção de medidas de segurança para os hospitais da rede pública. O Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (SinMed) listou as principais situações de insegurança enfrentada pelos médicos, que interfere no exercício profissional e o Sindicato dos Médicos do Amazonas dispõe da Ouvidoria de Saúde do Simeam, que recebe denúncias através do e-mail ouvidoria@simeam.org.br.

Para o presidente do SinMed/RJ, Jorge Darze, que foi recebido nesta quarta-feira (19) pela Chefe de Polícia Civil, Delegada Martha Rocha, o assassinato aponta para a dramática situação vivida rotineiramente pelos profissionais de saúde. "Não podemos aceitar passivamente atos covardes e brutais como esses, já que os médicos e demais profissionais de saúde são tão vítimas da crise que vive a saúde pública quanto à população usuária do sistema", disse.

O presidente do Simeam, Mario Vianna, pontua que a adoção de medidas de segurança principalmente para os médicos que atuam em área de risco devem ser aplicadas imediatamente. "Recebemos denúncias, através da ouvidoria, principalmente de profissionais que atuam em áreas vulneráveis como os médicos da Estratégia Saúde da Família. Alguns já sofreram assaltos e ameaças. Isso é inaceitável", disse.

PRINCIPAIS CAUSAS DE INSEGURANÇA APONTADAS PELO SINMED

1- A crise da saúde pública, que gera a insatisfação da população, e que, por sua vez, pode gerar a violência contra os médicos;
2- Falta de policiamento ostensivo ao redor das unidades (quase sempre localizadas em regiões com elevado índice de violência), que acaba tornando o profissional de saúde vulnerável no momento da entrada e saída do seu local de trabalho;
3- A rotineira transferência de custodiados do sistema prisional doentes (não tratados nos hospitais penitenciários, que estão em situação de calamidade) para os hospitais públicos. Isso gera uma situação de risco, já que muitos têm periculosidade elevada e às unidades de saúde não são protegidas com policiamento suficiente;
4- A inexistência de sistema de segurança nas agências do INSS, onde os médicos peritos são constantemente ameaçados verbal ou fisicamente por segurados que contestam os laudos quando estes determinam o seu retorno ao trabalho.
Fonte : Taciana Giesel



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 785 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)