Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

RS: médicos gaúchos começam nesta 2a paralisação de seis planos de saúde



15/10/2012
Começa nesta segunda (15) a paralisação dos médicos de planos de saúde no Rio Grande do Sul. Até quarta (17), profissionais credenciados a seis operadoras atingidas pelo protesto deixarão de atender consultas e procedimentos não urgentes. As operadoras somam mais de 400 mil usuários no Estado, 18% do total dos gaúchos com assistência privada, setor que teve crescimento de 200% entre 2003 e 2011 no País. São alvos da paralisação: SulAmérica, Geap, Saúde Caixa, Cabergs, DoctorClin e Centro Clínico Gaúcho.

A medida é reação às empresas que não tiveram avanços nas negociação até fim de setembro com a Comissão Estadual de Honorários Médicos (CEHM-RS), que é composta por Simers, Cremers e Amrigs. As entidades que lideram a mobilização - Sindicato Médico do RS (Simers), Conselho Regional de Medicina (Cremers) e Associação Médica (Amrigs) – intensificam desde o começo desta semana a mobilização da categoria e reforçam esclarecimentos aos pacientes. A recomendação é que os usuários entrem em contato com seus médicos para ter orientação sobre os agendamentos destes três dias.

A suspensão dos atendimentos não urgentes (consultas e procedimentos) busca pressionar planos que não apresentaram propostas de valorização dos médicos e respeito à autonomia do ato médico ou aqueles que fizeram proposições insuficientes. Estima-se que 16 mil dos cerca de 24 mil médicos em atividade no Estado sejam credenciados a planos. Somente após a aprovação da paralisação, em assembleia estadual no dia 1 de outubro, algumas das empresas buscaram a Comissão para conversar. Na semana passada, as entidades se reuniram com a DoctorClin. Nesta quarta, estão previstas reuniões com Sulamérica e Associação Brasileira de Medicina de Grupo (Abramge-RS), que representa o setor de planos de medicina de grupo.

"Sempre estivemos e estamos abertos a conversar. Os protestos que estão sendo deflagrados em todo o País buscam alertar para uma situação cada vez mais desigual na qual os planos faturam cada vez mais, os médicos são cada vez menos valorizados e a insatisfação dos usuários só aumenta", destaca o presidente do Sindicato Médico, Paulo de Argollo Mendes.

Na pauta de reivindicações, estão a adoção pelas operadoras da última edição da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM) plena para consultas e procedimentos (que é a referência da categoria e formulada pelo setor), consulta de R$ 80,00 (hoje há grande variação de valores com patamares bem inferiores), e fim de glosas ou restrições a exames e procedimentos indicados pelo profissionais nos tratamentos dos pacientes (operadoras vetam indicações desrespeitando a autonomia do médico em decidir o que é melhor aos seus pacientes).

Na campanha nacional, o slogan é "Basta aos Abusos dos Planos de Saúde, Médicos exigem assistência de qualidade para os pacientes e valorização da Medicina". As direções do Conselho Federal de Medicina (CFM), da Federação Nacional dos Médicos (Fenam) e da Associação Médica Brasileira (AMB) já comunicaram ao Ministério da Saúde sobre as ações nacionais. Veja aqui como será a moblização em cada esatdo e no Distito Federal.
Fonte : SIMERS



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 972 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)