Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

RJ: emergência do Hospital Federal de Bonsucesso continua funcionando em contêineres



19/10/2012
Rio de Janeiro - O baixo número de leitos, 35 ao todo, e superlotação de pacientes são alguns dos problemas constatados pela vistoria feita, na quarta-feira (10), no setor de emergência do Hospital Federal de Bonsucesso (HFB), na zona norte da capital fluminense, pelo Conselho Regional de Medicina (Cremerj). Há mais de um ano que a emergência funciona improvisadamente em contêineres instalados em uma área próxima ao estacionamento, desde que o prédio foi interditado para obras.

Na segunda-feira (15), o Ministério Público Federal (MPF) e a Defensoria Pública da União (DPU) ajuizaram uma ação civil pública pedindo à Justiça Federal que determine ao HFB a transferência dos pacientes da emergência para outras unidades de saúde das redes públicas federal, estadual e municipal, depois de serem estabilizados os casos de urgência e emergência, avaliados os riscos e determinado o nível de atendimento e as especialidades necessárias.

O procurador da República Jaime Mitropoulos, autor da ação, explicou que não pediu a interdição total do setor porque a população não pode ficar prejudicada em sua assistência. "Os pacientes não podem ficar desassistidos do pronto atendimento, mas também não podem ficar internados nas condições precárias em que se encontram, conforme constataram as fiscalizações da vigilância sanitária e as visitas feitas pelos defensores", disse.

De acordo com os MPF e a DPU, a União terá que prosseguir com as obras no prédio da emergência do HFB e terminá-las em prazo razoável, já que as mesmas estão paradas desde o início do ano, enquanto pacientes aguardam atendimento, às vezes por vários dias, em macas e cadeiras espalhadas na improvisada instalação do setor.

O hospital informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que desde janeiro do ano passado a emergência está em obras de ampliação. De acordo com nota, para não paralisar o atendimento emergencial, a unidade construiu uma unidade de suporte semelhante às unidades de Pronto-Atendimento (UPAs), que funcionam em contêineres.

Ainda segundo a nota, a unidade segue as normas preconizadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). "Devido à prática ética de não recusar o atendimento a pacientes que procuram a emergência, ocorre a sobrecarga do setor, já que a demanda ultrapassa a capacidade instalada. Hoje (18), encontram-se internados 38 pacientes no setor", diz o HFB.

Em janeiro de 2012, a partir de auditoria solicitada pelo Ministério da Saúde e feita em conjunto com a Controladoria-Geral da União (CGU), os contratos para as obras do HFB foram suspensos.
Fonte : Agência Brasil



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 721 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)