Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Sociedade de Pediatria alerta para redução do número de leitos hospitalares no Rio Grande do Sul



22/10/2012
Pacientes acumulam em emergências de hospitais, enquanto estudo do Conselho Federal de Medicina aponta redução de 2,5 mil vagas no estado

Os leitos pediátricos são caros, mas imprescindíveis. A Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul preocupa-se com a extinção de 762 leitos hospitalares destinados as crianças gaúchas, apontado por um estudo do Conselho Federal de Medicina (CFM). A falta de investimento na saúde obriga diversos pacientes a permanecerem internados nas salas de emergências, expostos a infecções, com a privacidade e visita dos familiares restrita.

De acordo com o CFM, as vagas diminuíram em 10% no estado, apresentando a redução de 2,5 mil vagas no total. Os pediatras gaúchos torcem pela inversão deste quadro o mais rápido possível, com a aplicação de políticas públicas realmente preocupadas com a saúde brasileira.

As doenças atuais são mais complexas, diferente de 30 anos atrás. Mesmo assim, hoje os prematuros sobrevivem com muito mais frequência, mas demandam maior atenção do sistema de saúde. Atualmente, cerca de 90% das crianças com câncer sobrevivem, mas necessitam de tratamentos extensos. Sendo assim, de acordo com a Sociedade de Pediatria do RS, existe um grande avanço dos conhecimentos da medicina, mas que não é tão eficiente sem recursos financeiros destinados a infraestrutura dos hospitais, para que as técnicas sejam aplicadas de forma plena.

- Os governantes dizem que a infância é uma prioridade do país, então tem que ter investimento. Não adianta fazer as coisas pela metade, que o dinheiro vai fora. É um problema muito sério, que exige investimento e a descentralização dos hospitais gaúchos. É inconcebível alguém viajar 800 quilômetros para dar a luz. Trata-se de um sistema perverso. O pediatra quer trabalhar e o hospital não tem vaga para tirar uma amígdala, e todo mundo sabe disso - reivindica o assessor da presidência da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, Jefferson Piva.

A Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul considera que os profissionais especializados no cuidado do público infantil apresentam uma medicina de vanguarda, atualizada e equiparada aos melhores países do mundo, em termos de conhecimento. São necessários no máximo 24 horas para estabilizar um paciente em emergência, para destiná-lo ao leito hospitalar. No entanto, como não existem vagas, eles acumulam no mesmo local, que deveria ser destinado a pacientes mais complexos.

Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul

A Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul foi fundada em 25 de junho de 1936 com o nome de Sociedade de Pediatria e Puericultura do Rio Grande do Sul pelo Prof. Raul Moreira e um grupo de médicos precursores da formação pediátrica no Estado. A entidade cresceu e se desenvolveu com o espírito de seus idealizadores, que, preocupados com os avanços da área médica e da própria especialidade, uniram esforços na construção de uma entidade que congregasse os colegas que a cada ano se multiplicavam no atendimento específico da população infantil. Atualmente conta com cerca de 1.750 sócios, e se constitui em orgulho para a classe médica brasileira e, em especial, para a família pediátrica.
Fonte : Play Press Comunicação



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 941 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)