Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

RN: médicos mudam estratégia para pressionar Governo


Foto: Divulgação/Internet
RN: médicos mudam estratégia para pressionar Governo
Os médicos do Estado decidiram “fazer barulho” caso não haja uma negociação definitiva que atenda à suas reivindicações.


10/12/2012
A greve dos médicos do Estado já dura quase sete meses e não obteve nenhum avanço. Prevendo a possibilidade de o Governo se manter irredutível, a categoria definiu que será necessário mudar a estratégia para que o Governo tome uma posição. O Sindicato dos Médicos do RN (Sinmed) deu um prazo até a terça-feira (11) para que o Governo aceite a proposta de reajuste inicial em janeiro de 2013. Caso esta não seja aceita, o Sindicato levará as denúncias à frente com maior repercussão e manterá a greve com maior efetividade.

De acordo com o presidente do Sinmed, Geraldo Ferreira, os médicos do Estado decidiram “fazer barulho” caso não haja uma negociação definitiva que atenda à suas reivindicações. “Estamos em um momento decisivo, no qual ou avançamos para um acordo definitivo com o Governo ou teremos que levar a denúncia para planos nacionais. Estamos solicitando aos hospitais um relatório sobre a situação nos últimos meses, com relatos e fotos do caos instaurado neles. Caso o Governo não apresente a proposta concreta, que atenda às nossas exigências vamos juntamente com a comissão de direitos humanos da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), apresentar a denúncia formalmente para a imprensa nacional, em coletiva. Talvez, fazendo mais barulho, os gestores públicos tomem uma posição definitiva para resolver o problema da saúde pública no Estado”, afirmou o presidente do Sinmed, Geraldo Ferreira.

Os novos rumos da greve foram definidos durante assembleia geral realizada na última segunda-feira (4), na sede do Sinmed. Na ocasião, a categoria conheceu as propostas feitas pelo Governo na última reunião realizada entre o presidente do Sinmed e a governadora Rosalba Ciarlini. Durante reunião, o Governo propôs a criação de uma comissão paritária que até março estabeleceria um entendimento entre as partes, tentando viabilizar uma ‘trégua’ na greve.

No entanto, durante a assembleia, o Sindicato declarou para os médicos que não aceitou a proposta do Governo por não haver nenhuma garantia de cumprimento das negociações e lançaram uma contra proposta, pedindo um reajuste inicial de 13,5% em janeiro de 2013, como condição para a criação da comissão paritária, estabelecendo mais um prazo para a resposta do Governo.
Fonte : Sinmed-RN



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 985 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)