Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

SP: governo lança plano de carreira e prevê concurso para médicos


Foto: Divulgação/Internet
SP: governo lança plano de carreira e prevê concurso para médicos
Com jornada semanal de 40 horas - em São Paulo - o salário inicial pode chegar à R$ 13.900.


03/01/2013
Foi sancionada nesta quarta-feira(2) a lei que estabelece um plano de carreiras para os médicos da rede pública estadual de São Paulo, cuja principal mudança é a criação de um piso salarial de R$ 6 mil para os profissionais que se dedicam à jornada semanal de 20 horas. Além disso, a nova lei prevê ainda a abertura de concursos públicos para vagas de dedicação exclusiva ao Estado, com jornada semanal de 40 horas - carreira que até então não existia em São Paulo. O salário inicial para essa faixa será de R$ 13.900.

O governo estima que o salário médio de um médico do Estado é de R$ 3.700 e, com a lei, a remuneração mensal pode chegar a R$ 14,7 mil, para o profissional que se dedicar integralmente ao setor público (40 horas) e receba o teto do prêmio de produtividade médica. Ao todo, 15 mil médicos devem ser beneficiados, sendo cerca de 12 mil dedicados à rede pública de saúde (os demais trabalham em serviços da administração, como Segurança Pública e Administração Penitenciária).

De acordo com o secretário estadual de Saúde, Giovanni Guido Cerri, o impacto sobre os cofres estaduais deve ser de R$ 450 milhões por ano, e o objetivo é que, em até cinco anos, 20% dos 12 mil profissionais da rede pública se dediquem exclusivamente ao Sistema Único de Saúde (SUS).

"O impacto (sobre os cofres estaduais) é grande, mas é uma mudança extremamente necessária. Só com um plano de carreiras adequado é que conseguiremos atrair e manter os médicos na rede estadual. (...) Está previsto a abertura de novos concursos, e nós vamos progressivamente aumentando essa nova carreira (de 40 horas semanais).(...) Já a carreira 20 horas já existe e esperamos implementar, em no máximo um ano, o novo piso salarial de R$ 6 mil", afirmou o secretário.

"Não faltam médicos no Brasil, mas a distribuição dos profissionais é inadequada. E uma das maiores dificuldades que temos hoje em segurar os profissionais na rede SUS são os baixos salários. O objetivo do plano de carreiras é que os médicos queiram, de fato, se dedicar à rede pública e, com isso, melhorar a qualidade dos serviços oferecidos em São Paulo", afirmou o governador Geraldo Alckmin, ao sancionar a lei estadual.

Além da mudança salarial de acordo com as horas trabalhadas, a lei também prevê a criação de gratificações em dinheiro de acordo com o desempenho dos profissionais. Uma das gratificações é o Prêmio de Produtividade Médica, estabelecido de acordo com a produtividade, frequência no trabalho, responsabilidade e qualidade dos serviços prestados. O valor do prêmio será computado para o cálculo de férias e 13º salário.

"É um importante passo para a valorização da categoria. (...) É uma forma de garantir dignidade aos médicos que se dedicam à rede pública, ou seja, à população que mais precisa", afirmou Donaldo Cerci da Cunha, vice-presidente da Associação Paulista de Medicina (APM).
Fonte : Simesp



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1165 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)