Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

586 médicos farão, em Campinas, o exame para o título de especialista em ortopedia


Foto: Divulgação/Internet
586 médicos farão, em Campinas, o exame para o título de especialista em ortopedia
O título de Ortopedista é apenas para profissionais devidamente qualificados e capacitados na especialidade.


07/01/2013
Começa na próxima quinta-feira (dia 10), no Royal Palm Plaza Hotel, em Campinas, o mais rigoroso e aguardado exame promovido pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia - SBOT.

No total, 586 médicos que terminaram os três anos de Residência se candidatam a conseguir o valorizado título de Ortopedista, que será concedido aos aprovados no exame. Este exame consta de várias provas; prova escrita, com 100 perguntas, prova oral para a qual foram selecionados 340 examinadores e 89 observadores e provas de exame físico e de habilidades, a serem realizadas com o concurso de 35 soldados do Exército Brasileiro, que desempenharão o papel de pacientes a serem examinados pelos futuros ortopedistas.

O presidente da Comissão de Ensino e Treinamento da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, André Pedrinelli, reconhece que o exame é muito rigoroso, mas argumenta que a SBOT tem a responsabilidade de conceder o título de Ortopedista apenas a profissionais devidamente qualificados e capacitados na especialidade, que é uma das que evolui mais rapidamente no mundo. Tanto é assim, que mesmo os médicos mais experientes passam obrigatoriamente pelos programas de educação continuada, para dominar o estado da arte.

Pedrinelli diz que geralmente 80% dos candidatos são aprovados, uma vez que conhecendo o rigor do exame, os médicos se apresentam muito bem preparados e, uma vez aprovados, o resultado será divulgado na segunda-feira, dia 14. Ele lembra, porém, que mesmo se aprovados 500 novos ortopedistas, serão ainda insuficientes para a necessidade brasileira, pois há em torno de 10.000 especialistas filiados à SBOT e o Brasil precisa de número maior.

Segundo o médico, os acidentes de trânsito, com motocicletas, principalmente, e o envelhecimento da população, com muito mais pessoas chegando à idade em que ocorrem fraturas em decorrência da osteoporose, aumentam constantemente a demanda pelos especialistas. Eles precisam ser altamente capacitados, porém, diz ele, pois há necessidade de um atendimento rápido, de um diagnóstico preciso e de um tratamento adequado para impedir que um paciente fique incapacitado, o que representaria custos muito altos para sua família e para a própria sociedade.

Essa responsabilidade explica porque um dos baluartes da SBOT é a educação e treinamentos contínuos, para os quais a Residência é um fator muito importante, balizando o conteúdo programático, treinando os preceptores e trabalhando juntamente com o Ministério da Educação pois, segundo o presidente da Comissão de Ensino e Treinamento, a Medicina mais barata é a medicina bem feita e ela deve estar a cargo de profissionais altamente capacitados.
Fonte : Doc Press Comunicação



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 805 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)