Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

AM: “Importação” de médicos estrangeiros prejudicará o Amazonas, diz Sindicato


Foto: Divulgação/Internet
AM: “Importação” de médicos estrangeiros prejudicará o Amazonas, diz Sindicato
Para o Sindicato dos Médicos, as diferenças na formação dos profissionais e barreira linguística entre médico e paciente comprometerão atendimento.


08/02/2013
A possibilidade de “importação” de médicos para resolver o déficit no interior do País tem sido fruto de discussão no Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam). Estudada pela Presidente Dilma Rousseff e defendida pelo Senador Eduardo Braga, trazer médicos de Portugal, Espanha, Cuba, Colômbia, Peru e Bolívia, entre outros, sanaria a falta de atendimento às populações do interior.

Enquanto o senador acredita ser “a única maneira de diminuir a dor e o sofrimento dos ribeirinhos”, como afirmou ao portalamazonia.com no último sábado (2), o Simeam define que a proposta “não é tão mágica assim”. A declaração é do presidente do sindicato, Mário Vianna, cirurgião geral e médico obstetra laparoscopista.

Falta de médicos e telefonia precária preocupam interior do Amazonas


Segundo o presidente do Simeam, os médicos do Amazonas vão se manifestar a respeito da contratação de médicos especialistas e estrangeiros para o interior do Estado. “Já estamos reunindo as cooperativas e sociedades de especialidades médicas. Pediremos audiência pública na Assembleia Legislativa do Amazonas para discutir sobre essa nova investida do Governo Federal”, adianta Vianna.

Trazer médicos de outros países, para o representante do sindicato, acarretará mais prejuízos do que ajudará a população do interior do Estado. As dificuldades de comunicação e variações nas grades curriculares dos cursos de medicina serão grandes obstáculos na prática médica.

“A diferença de idiomas prejudica a relação médico-paciente. Além disso, há divergências brutais nos currículos. As doenças que acometem o homem da Amazônia não são as mesmas que são comuns na Espanha ou em Portugal. E Cuba, por exemplo, tem formação de 4 anos e currículo inferior ao brasileiro. Isso coloca em risco a saúde da população”, alerta o médico.

Investimentos e infraestrutura

Vianna afirma ainda que a solução para o interior do Amazonas é o investimento em atendimento básico ao apontar os médicos da família e comunidade como os mais apropriados para a situação. “O Senador está equivocado quando diz que pretende criar uma equipe multidisciplinar em cada municipio com vários especialistas. Essa idéia é pura inconsequência”, diz. Os profissionais de medicina familiar, capacitados para prestar primeiro atendimento e façam pequenos procedimentos, atenderiam a maior demanda do interior.

“A maioria dos municípios tem menos de 50 mil habitantes. Não há motivo para ter especialistas em cada cidade. O Estado precisa focar em médicos com formação generelista em saúde da família, para prestar atendimento básico e orientar a população”, diz.

Com o atendimento prestado diariamente, o titular do sindicato garante que os problemas de fácil resolução não virarão situações críticas. Porém, o médico do interior precisa ter garantia de que, caso haja necessidade de remoção do paciente, haverá transporte aeromédico para a capital ou para municípios maiores que possuem especialistas.



Saúde da Família vai atender 9 mil ribeirinhos de Manaus

“A grande questão é a estrutura física inexistente. Mesmo que estrangeiros venham desempenhar o trabalho, a falta de estrutura inevitavelmente vai fazer esses profissionais procurarem emprego na capital”, diz o médico. “No mínimo, o município precisa ter laboratório para exames de sangue, fezes e urina; raio-x, enfermeiros, farmacêuticos e auxiliares técnicos”, completa.

Para resolver a falta de médicos dispostos a trabalhar no interior, o presidente do Simeam acredita que falta um planejamento por parte do Governo. “O Estado precisa garantir que o médico vá para o interior com concurso público, com estabilidade, e que o profissional volte progressivamente para a capital depois de prestar o serviço por alguns anos”, conclui Vianna.
Fonte : Portal Amazônia



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1550 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)