Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

A privatização da indignidade


Foto:
A privatização da indignidade
Edson Prado Machado - Médico Pediatra


21/02/2013
A Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH) foi criada para atender dois propósitos fundamentais: assistência direta à população e apoio ao ensino e à pesquisa nas universidades através da gestão privada dos Hospitais Universitários Federais.

A justificativa oficial para sua implantação foi atender a determinação do TCU que exigia a regulamentação da situação de mais de 26.000 servidores dos HUs que estavam em situação funcional irregular, contratados e mantidos sob forma precarizada. Outro argumento decisivo foi a exigência de agilidade, flexibilidade e dinamismo em sua gestão, que inexiste na Administração Direta e Autarquias, por conta das limitações impostas pelo regime jurídico de Direito Público próprios destas instituições, especialmente na gestão e contratação de recursos humanos.

Com estes argumentos o Estado atropela a lógica e aproveita o irregular para criar mais irregularidade. Ora, se o país atravessa uma crise de apagão energético, não vai ser erguendo postes que irá suprir a falta de geração de electricidade. E não vai ser através da entrega e privatização da assistência e ensino que resolverá os desmandos causados por má gestão. !Entendemos que não existem equivocos nestas decisões, existem intenções dissimuladas. Existe também a clara manifestação do Estado que através da privatização declara solenemente que é incapaz de gerir a coisa pública. Se havia, e há, um número signiï¬Âcativo de servidores contratados irregularmente, que se façam concursos públicos conforme prevê a Lei, e não se atropele a Lei incorrendo em irregularidade maiores para corrigir irregularidade anteriores.

Enquanto democratiza favores, distribui recursos e capitaliza apoio político, o governo socializa o caos nas emergências, a desassistência na rede básica e promove o apequenamento do Estado, negando suas responsabilidades essenciais com a saúde, a educação e assim por diante.

A proposta de uma empresa para cuidar da gestão dos hospitais universitários foi apresentada no ï¬Âm de 2010. O governo federal tentou criar a Ebserh por meio de medida provisória (MP 520/2010), editada no último dia de mandato do ex-presidente Lula, mas a matéria acabou derrubada no Senado no ano seguinte. Depois da derrubada da MP, o Executivo decidiu apresentar um projeto de lei com o mesmo conteúdo (PLC 79/2011), que acabou aprovado no Plenário do Senado, apesar das críticas da oposição e até de parte da base de apoio ao governo.

No inicio de janeiro, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, ajuizou uma ação direta de inconstitucionalidade contra dispositivos da Lei 12.550/2011, que autorizou a criação da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh). !Enï¬Âm, claramente é uma indignidade a forma como o Estado trata a saúde da população, e como trata a gestão dos entes públicos. Agora resolve privatizar o caos e entrega os destinos e a sobrevida do SUS à iniciativa privada, e salve-se quem puder.
Fonte : Edson Prado Machado



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1230 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)