Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

MG: mais de 4 mil crianças não poderão ser atendidas no Hospital Vila da Serra


Foto: Divulgação/Internet
MG: mais de 4 mil crianças não poderão ser atendidas no Hospital Vila da Serra
De acordo com o Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sinmed-MG), outras 20 acabaram com a oferta do serviço nos últimos anos, na capital.


25/02/2013
Se a saúde suplementar está doente, o atendimento às crianças está à beira da morte em Belo Horizonte. O Hospital Vila da Serra, especializado na gravidez de alto risco e nas patologias pediátricas de alta complexidade, anunciou que fechará as portas de seu serviço de pronto-atendimento pediátrico a partir de 20 de março, deixando de atender a quase 4 mil meninos e meninas por mês.

A instituição é mais uma na capital que abandona a especialidade sob alegação de prejuízos em função da baixa remuneração oferecida pelos convênios.

De acordo com o Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sinmed-MG), outras 20 acabaram com a oferta do serviço nos últimos anos, na capital.

Quem sofre é o consumidor, que paga caro pelos planos mas não tem assistência adequada para seus filhos. Com as contas no vermelho, por causa do pagamento baixíssimo das operadoras, o Felício Rocho também eliminou o pronto-atendimento pediátrico.

“No geral, com poucas exceções, todos os outros hospitais da região abandonaram essa atividade, pela complexidade do atendimento e pela baixa remuneração”, justificou o Vila da Serra, em nota.



Restam quatro

Para o diretor do Sinmed-MG, o pediatra Paulo Marra, o caso é gravíssimo. Com a interrupção do pronto-atendimento no Vila da Serra, restam aos usuários de planos de Belo Horizonte apenas o Hospital da Unimed, o Mater Dei, o Padre Anchieta e o São Camilo. Mas os donos deste último dizem que ele não comporta mais pacientes.

“O usuário é sempre submetido a um chá de cadeira. Em alguns, como no Hospital da Unimed, a demora passa de quatro horas”, diz Marra.

Segundo ele, os valores pagos aos plantonistas são menores que a remuneração do médico do consultório. “A maioria dos planos paga entre R$ 55 e R$ 80, mas alguns não oferecem mais que R$ 42. O ideal é algo entre R$ 100 a R$ 120, pois a responsabilidade é enorme”.

Para o gerente do Procon da Assembleia, Gilberto Dias Souza, a situação está virando caso de polícia. “Os planos sobem ano após ano, mas o repasse aos profissionais e hospitais, não. A Agência Nacional de Saúde precisa agir”, cobrou.
Fonte : Sinmed-MG



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 828 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)