Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar




Palavras-chave

SC: fechamento do hospital de Fraiburgo coloca em risco atividade médica e saúde da população


Foto: Carla Cavalheiro
SC: fechamento do hospital de Fraiburgo coloca em risco atividade médica e saúde da população
O hospital foi fechado porque as irmãs da Congregação dos Santos Anjos, proprietárias e mantenedoras do hospital Divino Espírito Santo, acumulavam há cinco anos um déficit mensal de até R$ 150 mil.


12/03/2013
As consequências do fechamento do hospital Divino Espírito Santo, de Fraiburgo, que encerrou as atividades no dia 1º de janeiro, foi o principal assunto que reuniu os médicos da Regional Videira na última sexta-feira (08), na cidade de Videira. O secretário Regional Agostinho Bernardi apresentou a situação que foi debatida com os demais médicos presentes à reunião. A situação é preocupante tendo em vista que o fechamento do hospital gerou aumento de demanda no atendimento em Videira sem que uma solução de atendimento na cidade vizinha tenha sido projetada a longo prazo.

O hospital foi fechado porque as irmãs da Congregação dos Santos Anjos, proprietárias e mantenedoras do hospital Divino Espírito Santo, acumulavam há cinco anos um déficit mensal de até R$ 150 mil, dívida que ultrapassa os R$ 8 milhões. “Elas chegaram até aqui movidas pela esperança de que com a nova administração municipal, teriam o apoio da prefeitura, o que infelizmente não ocorreu”, relata.

De acordo com Agostinho, a cidade de Fraiburgo tem aproximadamente 37 mil habitantes, população que aumenta nos primeiros meses do ano por causa da colheita da maçã. Consequentemente, aumenta a população que necessita de atendimento em saúde. “O prefeito recém empossado prometeu em campanha que a saúde e o saneamento básico seriam prioridade. Só que desde que foi eleito, o prefeito não esboçou nenhuma tentativa de diálogo para tentar resolver a situação do hospital”, informou o diretor do SIMESC.

Agostinho comentou que a prefeitura de Fraiburgo firmou convênio com o hospital Divno Salvador, em Videira, para atender os pacientes enviados pelos médicos do pronto-atendimento de Fraiburgo. “É um convênio com prazo determinado para ser encerrado (31 de março), uma solução paliativa que não tem um projeto a longo prazo para atender a população”, acrescenta.

O relato sobre a situação em Fraiburgo somado aos depoimentos dos médicos que trabalham em Videira vai gerar uma série de desdobramentos por parte das diretorias Executiva e Regional do SIMESC. “Não é possível aceitar esta situação. Estaremos tomando medidas nos próximos dias para garantir o atendimento médico e o acesso da população à saúde”, afirmou o presidente do Sindicato, Cyro Soncini.

O presidente da Regional, Carlos Waltrick frisou que o Sindicato estará nos próximos dias se mobilizando junto à classe médica para denunciar a situação às autoridades competentes em busca de uma solução para a situação.

Acompanharam a reunião também o diretor de comunicação e imprensa do Sindicato, Renato Polli, a presidente da Regional Caçador, Maria Lúcia Bertolini, o assessor jurídico do SIMESC, Rodrigo Machado Leal e a coordenadora Terezinha Koerich
Fonte : Simesc



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1396 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)