Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

PE: conselho determina interdição ética parcial do Hospital Dom Moura


Foto: SIMEPE
PE: conselho determina interdição ética parcial do Hospital Dom Moura
Vários pacientes aguardavam, no dia da fiscalização, por atendimento no corredor, e em pé, por falta de leitos.


25/04/2013
Na manhã dessa terça-feira (23) o Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) e o Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe), durante coletiva de imprensa, comunicaram sobre a interdição ética dos setores de pediatria, cirurgia e traumatologia do Hospital Dom Moura, localizado em Garanhuns, no Agreste do Estado. No dia 10 de abril, médicos fiscais do Cremepe realizaram uma fiscalização na unidade. Na última quinta-feira (18), representantes das entidades médicas visitaram a unidade e constataram as irregularidades no hospital.

O Hospital Dom Moura é uma unidade pública de saúde estadual, que tem características de hospital geral regional e também é usado como prática para a formação médica da Faculdade de Medicina de Garanhuns. A fiscalização ocorreu um dia após a operação policial que prendeu quatro ex-diretores da unidade, acusados de corrupção.

"É inaceitável que o Dom Moura continue funcionando dessa forma, sem condições de trabalho para os médicos e sem prestar um atendimento adequado aos pacientes. Essa interdição parcial será importante para garantir segurança a quem procura o serviço. Também servirá para o município e o Estado ajustarem seus serviços prestados", explicou a presidente do Cremepe, Helena Carneiro Leão.

"O que vemos hoje são médicos trabalhando de maneira sobrecarregada, com plantões extras e vínculos de trabalho frágeis", declarou o presidente do Simepe, Mário Jorge Lôbo. "A situação não é pontual. Ano passado, quando a Faculdade de Medicina foi instalada na região, fomos até o Dom Moura e já percebemos que alguns setores estavam deficitários. O que ocorre agora é uma gravidade do quadro que existia", acrescentou o coordenador de fiscalização do Cremepe, Roberto Tenório.

Entre as irregularidades encontradas, está a ausência de diretor técnico, diretor clinico e chefe de emergência. A unidade realiza atendimento de emergência nas especialidades de pediatria, clínica médica, traumatologia, cirurgia geral e obstetrícia. Muitas escalas estão incompletas em todos os setores. Por cinta disso, há sobrecarga no número de atendimentos. As escalas ideais seriam formadas por três clínicos, dois pediatras (sendo um na sala de parto), dois obstetras, dois anestesiologistas, dois cirurgiões e dois traumatologistas. A maioria dos clínicos é contratada por empenho, ou seja, com vínculos frágeis de trabalho.

Na visita à unidade realizada pelas entidades, os médicos denunciaram serem vítimas de constrangimento e assédio moral, praticados por policiais e administradores da unidade. Também há queixas de alimentação insuficiente para pacientes e médicos. "É uma realidade de completo abandono", constatou o secretário de Comunicação do Simepe, Silvio Rodrigues.

A UTI do hospital, que foi inaugurada em julho de 2012, conta com 10 leitos, sendo um de isolamento, e o atual coordenador solicitou afastamento da função. O setor conta com um médico diarista e enfermeiro exclusivo. O setor também não está regulado, ou seja, não pode receber pacientes de outros hospitais, apenas a demanda interna. A escala de médicos na UTI está desfalcada, com vários profissionais atuando em plantões extras e com contratos de trabalho frágeis.

A traumatologia conta consultório próprio e sala de gesso, mas o setor está sem realizar cirurgias que necessitem de Intensificador de imagem, equipamento fundamental para alguns tipos de fratura. O aparelho está em fase de compra. Os setores de RX e laboratório são do próprio hospital e funcionam 24 horas por dia.

O setor de obstetrícia conta com sala de parto, porém sem material de reanimação completo. As duas salas de cirurgia obstétricas, separadas das demais, estão sem climatização e há falta frequente de antibióticos e anestésicos. Há apenas quatro enfermeiras obstétricas atuando no hospital. O setor de enfermagem está completo graças a um plantão extra. Também faltam insumos básicos, como dificuldade em conseguir roupa de cama para pacientes e médicos.

O plantão da obstetrícia realiza apenas curetagens, pois está sem pediatra de plantão. Muitos partos são realizados sem a assistência de pediatra. Também não há neonatologista de plantão. Também há relatos de dificuldade na transferência de recém-nascidos graves, devido à demora na liberação de informações na Central de Regulação de Leitos. Há um berçário onde ficam os bebês nascidos do projeto Mãe Coruja, equipado com duas incubadoras normais e outra de transporte e aparelho de fototerapia.

A ultrassonografia funciona de segunda a sexta-feira, pela manhã e tarde. A endoscopia realiza atendimentos quatro vezes por semana. O serviço de ecocardiograma atende duas vezes por semana.

A pediatria tem porta exclusiva de entrada e conta, na emergência, com dois consultórios, seis leitos de observação e uma sala de medicação. No entanto, na sala vermelha (reanimação) não há kit de intubação e desfibrilador. No dia em que a fiscalização foi realizada, não havia pediatra de plantão, as crianças eram atendidas por clínicos. O setor de internamento pediátrico conta com 30 leitos.

Quanto à estrutura do Hospital Dom Moura, a recepção conta com acomodações inadequadas, com poucas cadeiras, infiltrações e sem banheiros. A porta de entrada da emergência é pequena e o setor não tem classificação de risco. O posto de enfermagem é pequeno e divide espaço com a sala de medicação. A sala de nebulização conta apenas com um ponto de oxigênio.

Vários pacientes aguardavam, no dia da fiscalização, por atendimento no corredor, e em pé, por falta de leitos. Há apenas dois consultórios na emergência, que são usadas por clínicos e cirurgiões, reversando o uso dos ambientes. O setor tem equipamentos de reanimação cardiovascular insuficientes, comprometendo o atendimento de uma parada.

O bloco cirúrgico do Hospital Dom Moura não possui Sala de Recuperação Pós-Anestésica (SRPA) e os médicos operam sem Equipamentos de Proteção Individual (EPI), como óculos. O setor também não conta com monitores cardíacos nem respiradores. O corredor é quente, sem acomodação e estreito, dificultando o fluxo. Na recuperação dos pacientes, há um único banheiro, sem porta, com vazamento e infiltrações. Há uma proposta de reforma da emergência, do bloco cirúrgico, farmácia, laboratório e central de esterilização de material, que deve começar ainda este semestre. Os anestesistas também reclamam da falta de materiais indispensáveis na aparelhagem básica. Muitos médicos dessa especialidade usam aparelhos próprios nos procedimentos.

Diante do exposto, o Cremepe aguarda a adoção de medidas e soluções imediatas da Secretaria Estadual de Saúde para os problemas citados na fiscalização e que são a causa da interdição ética parcial do Hospital Dom Moura. Também foi formalizada denúncia no Ministério Público de Pernambuco sobre a situação da unidade.
Fonte : SIMEPE



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 777 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)