Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

FENAM repudia anúncio de importação de 6 mil médicos cubanos pelo governo brasileiro


Foto: Divulgação/FENAM
FENAM repudia anúncio de importação de 6 mil médicos cubanos pelo governo brasileiro
Para a FENAM, a importação não assegura o atendimento de qualidade para a população e dentro dos moldes do Brasil.


07/05/2013
A Federação Nacional dos Médicos (FENAM) repudia a atitude do governo brasileiro de trazer 6 mil médicos cubanos para trabalhar no interior do país. O anúncio foi feito recentemente pelo ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, com a justificativa que o Brasil sofre de déficit de profissionais de medicina. Já o presidente da FENAM, Geraldo Ferreira, esclarece que a defasagem no número de profissionais para atender nas periferias das grandes cidades se deve à falta de subsídios e convênios que valorize o trabalho.

"A maioria das prefeituras não tem condições de pagar os médicos. O governo precisa estimular a criação do piso salarial e plano de carreira, com repasses para os municípios carentes. Só dessa forma teremos contratação nacional adequada".

O ministro Patriota explicou sobre a organização para receber os médicos estrangeiros depois de um encontro com o chanceler de Cuba, Bruno Rodriguez. A articulação para a contratação é conduzida pelos governos dos dois países, com o apoio da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e a ação começou a ser negociada em janeiro de 2012, quando a presidente Dilma Rousseff visitou Havana. Ainda há dúvidas, de como esses profissionais serão avaliados para poderem exercer a medicina da forma que é exigida no Brasil.

O presidente da Federação argumenta que seguir esse caminho não assegura o atendimento de qualidade para a população e dentro dos moldes do no nosso país. Para ele, o Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeiras (REVALIDA) é a única maneira de avaliar corretamente o ensino da medicina fora do Brasil.

"Comprovadamente, os médicos formados no exterior não correspondem às necessidades do mercado brasileiro, a formação é duvidosa, precária e deficiente. Prova disso foi o resultado do último Revalida que admitiu apenas 14% dos inscritos", concluiu.

A diretoria da FENAM participará essa semana do VI Fórum Ibero-Americano de Entidades Médicas - FIEM, em Portugal, e na ocasião levará sua posição de alerta em relação à questão e explicará os verdadeiros mecanismos que podem solucionar o problema. Ainda no encontro, a Comissão de Direitos Humanos da entidade apresentará relatório acerca do quadro calamitoso em que se encontra a saúde pública do Brasil. Em seu retorno, Geraldo Ferreira convocará uma reunião com todos os presidentes de sindicatos e federações na próxima semana para deicidirem como será a luta contra a importação de médicos A Federação também vem acompanhando a revolta dos médicos brasileiros nas redes sociais e está averiguando a possibilidade de uma greve geral.

Fonte : Imprensa FENAM



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 7378 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)