Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

RJ: mesmo aprovado na Câmara, Rio Saúde tem sua constitucionalidade questionada



21/05/2013
Aprovado na última terça-feira (14) pela Câmara Municipal, o "Rio Saúde" tem, antes mesmo de sair do papel, sua legitimidade e constitucionalidade questionada por médicos, enfermeiros e setores da sociedade civil. Com o objetivo de modernizar o sistema de saúde da cidade, o projeto prevê o repasse da administração de unidades hospitalares municipais para a iniciativa privada.

O Rio Saúde é similar a outros projetos, estaduais e federais, como as Organizações Sociais (OS) e a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), que enfrenta uma ação de inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal . O projeto de lei autoriza a criação de uma empresa municipal de saúde, que ampliaria e qualificaria a oferta de serviços de saúde pública na cidade, segundo a Prefeitura.

O principal ponto levantado pelos opositores do projeto é a falta de informações e definições em relação ao funcionamento dessa empresa. Para o presidente dos Sindicatos dos médicos do Rio de Janeiro (Sindmerj), Jorge Darze, o Rio Saúde é uma "instituição sem rosto". Em questionamentos sobre modelo de gestão e aproveitamento de médicos concursados, feitos pela Comissão de Saúde da Câmara na audiência pública anterior à votação, a Prefeitura deu respostas vagas.

A organização "Meu Rio" divulgou no facebook as imagens dos documentos de requerimento de informações da Comissão. Sobre o aproveitamento dos atuais servidores lotados em unidades que viessem a ser geridas pelo Rio Saúde, a resposta foi que estes "poderão ser cedidos, se necessário". Sobre a atuação da empresa no acompanhamento do desempenho e na gestão de unidades de saúde do Município, os vereadores tiveram que se contentar com a resposta: "ainda não foi definida."

Em esclarecimentos feitos pela Secretaria Municipal da Casa Civil ao Jornal do Brasil, a Prefeitura admite que a primeira fase do projeto consistia na aprovação da lei e somente em seguida seriam definidas questões de estatuto e funcionamento da instituição:

"A primeira etapa foi a aprovação do projeto. A segunda fase corresponde à constituição da empresa com definições sobre o seu tamanho, funções, especialidades e demais serviços que irá prover. O mapeamento do número de funcionários necessários irá acontecer nos próximos seis meses", explicou a Prefeitura, que tem como meta colocar a empresa de pé ainda no segundo semestre, para que ela comece a funcionar plenamente no primeiro semestre de 2014.

Para o "Meu Rio", o projeto foi aprovado "às pressas, sem oferecer os debates necessários". Após a base aliada derrubar um substitutivo e uma emenda do vereador Cesar Maia que impediam a empresa municipal de administrar unidades públicas, a lei foi aprovada na Câmara com 31 votos a favor, 12 contra e 7 abstenções. A organização acredita que a criação da RioSaúde representa uma mudança estrutural muito grande e polêmica na saúde pública do Rio:

"O Projeto de Lei foi enviado pelo Poder Executivo em regime de urgência, sem sequer ter sido debatido nos espaços de discussão municipais instituídos pelo SUS, como as conferências e os conselhos. Além disso, o Projeto deixa várias questões importantes em aberto, representando um cheque em branco para que a gestão da saúde possa ser alterada como a prefeitura bem entender. Acreditamos em uma cidade mais participativa e democrática e para isso, é fundamental que o nosso Poder Legislativo tenha independência e cumpra o seu papel, o que claramente não aconteceu nesse processo," defende a organização Meu Rio, em meio a críticas sobre a forma com que o projeto tramitou na Câmara.

"Monstro jurídico"

Com a aprovação do projeto, o prefeito Eduardo Paes passa a ter 15 dias para sancionar a lei. Sindicatos representantes de médicos e enfermeiros avisaram que iriam entrar com pedido de ação de inconstitucionalidade junto ao Supremo assim que se confirmasse a sanção. Para Jorge Darze, o projeto é um "monstro jurídico, que não possui respaldo constitucional":

"O Rio Saúde, segundo o próprio Eduardo Paes, copia o modelo da Ebserh, que está sendo questionado pelo Procurador-geral da República, Roberto Gurgel. Nós entendemos que essa lei é inconstitucional, pois ela prevê repasse de verbas públicas para iniciativa privada. Mesmo que com objetivo de assistência social, a iniciativa privada acaba assumindo o papel do estado. Outra inconstitucionalidade é a contratação de celetistas (mão de obra terceirizada) para "atividade-fim", ou seja, assistência médica à população.", destacou o médico, que articula, junto a outros sindicatos, uma paralisação nacional dos servidores federais na manhã do dia 5 de junho em protesto contra o Saúde Rio.
Fonte : Jornal do Brasil com informações do Sinmed-RJ



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 913 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)