Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

PE: em resposta à Dilma, Sindicato convoca médicos para paralisação geral na terça (25)



24/06/2013
Após o anúncio em rede nacional da presidente Dilma Rousseff de que iria trazer milhares de médicos estrangeiros para atuar no Brasil, o Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe) anunciou uma paralisação das atividades para esta terça-feira (25). Cruzam os braços todos os médicos que atuam em serviços eletivos (ambulatórios e Saúde da Família) que atuam em unidades municipais, estaduais e federais. Os atendimentos em urgências e emergências, em hospitais e UPAs, serão mantidos.

Também será realizada uma assembleia às 14h no Memorial de Medicina, no bairro do Derby, área central do Recife, para discutir as próximas ações da mobilização. Essa assembleia já estava marcada para ocorrer com médicos da Prefeitura do Recife, mas foi estendida a toda a categoria.

De acordo com o presidente do Simepe, Mário Jorge Lobo, o pronunciamento da presidenta Dilma atropelou uma negociação que vinha sendo realizada entre as entidades nacionais e o Ministério da Saúde. Desde que o governo federal anunciou que traria médicos estrangeiros para atuar no Brasil sem a exigência do Revalida, um exame que testa os conhecimentos dos profissionais e concede-lhes o direito de atuar no País, que foi criado um grupo de trabalho para discutir o assunto. Este grupo é formado pelo Ministério da Saúde, Conselho Federal de Medicina (CFM), Federação Nacional dos Médicos (CFM) e Associação Médica Brasileira (AMB).

"As entidades médicas não são contra a vinda de médicos formados no Exterior, desde que realize a prova de revalidação de diplomas desses profissionais formados no exterior (Revalida) para fazerem um atendimento de qualidade. O médico brasileiro que quiser trabalhar em outro país deve ser aprovado em rigorosos exames", enfatizou Mário Jorge. Segundo ele, não é uma solução estrutural para um dos problemas que mais afligem o brasileiro, a qualidade do atendimento público de saúde. O problema não é número de médicos e, sim, a falta de políticas públicas para fixar esse profissional em pequenas cidades e citou a carreira de Estado, através de concurso público nos municípios para fixar os profissionais.
Fonte : Simepe



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1018 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)