Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Parlamentares criticam programa Mais Médicos


Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
Parlamentares criticam programa Mais Médicos
Caiado: "Queremos que os médicos estrangeiros façam o Revalida".


09/07/2013
Parlamentares da oposição criticaram o programa Mais Médicos, anunciado pela presidente Dilma Rousseff. Programa será criado por meio de MP que tramitará no Congresso.

Já repercute na Câmara o anúncio do governo sobre a contratação de milhares de médicos, inclusive profissionais estrangeiros, para atuar na saúde básica em municípios do interior e na periferia das grandes cidades. A iniciativa faz parte do programa Mais Médicos, divulgado nesta segunda-feira (8).

Segundo o governo, serão gastos R$ 2,8 bilhões. A quantidade exata de vagas para médicos só será conhecida após consulta aos municípios, mas o governo estima que o número chegue a 10 mil. Os profissionais vão receber R$ 10 mil, pagos pelo governo federal. Os municípios, por sua vez, terão que oferecer moradia e alimentação aos profissionais, além de investir em construção, reforma e ampliação de unidades básicas de saúde.

Um dos pontos mais polêmicos do programa é a contratação de estrangeiros. Apesar de as vagas serem destinadas prioritariamente aos médicos brasileiros, os estrangeiros terão registro temporário para trabalhar no Brasil por período máximo de três anos. Os profissionais com diploma emitido no exterior não precisarão se submeter ao Exame Nacional de Revalidação de Diplomas, o chamado Revalida.

A medida foi criticada pelo líder do DEM, deputado Ronaldo Caiado (GO). "Nós nunca nos colocamos contrários à entrada de médicos estrangeiros, mas queremos que eles façam o Revalida", afirmou.

Trabalho no SUS

Caiado também criticou a obrigatoriedade de os alunos de medicina trabalharem dois anos no Sistema Único de Saúde (SUS) para receberem o diploma. "Se, para formar um médico no Brasil, são seis anos no curso da faculdade, mesmo sendo uma faculdade particular, ele terá que ficar mais dois anos no serviço público prestando serviço. Então, qual vai ser o raciocínio de um pai? É preferível que eu forme meu filho na Bolívia e, no final de seis anos, ele vai entrar no Brasil como médico."

O programa Mais Médicos será criado por medida provisória, a ser analisada no Congresso. O líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR), avaliou que a MP vai encontrar resistências na Casa. Ele reprovou a iniciativa da presidente Dilma Rousseff de enviar uma medida provisória porque, a seu ver, outras propostas em tramitação na Casa poderiam resolver a questão.

"Ela [presidente Dilma] prometeu não enviar mais MPs e está mandando mais uma MP. Ou seja, falta com a palavra. Há projetos bons tramitando aqui no Congresso Nacional e nenhum desses é chamado para o debate. Ela quer impor, de forma autoritária e prepotente ao Congresso para votar uma medida que ela escolheu como melhor, e não é", disse Bueno.
Fonte : Agência Câmara



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 906 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)