Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Entidades devem recorrer à justiça contra "Mais Médicos"


Foto: Divulgação/Internet
Entidades devem recorrer à justiça contra
Possível greve também deve ser anunciada nesta quinta-feira (11) contra o Programa.


10/07/2013
As entidades representativas da classe médica brasileira recorrerão ao Senado Federal e, possivelmente aos Superiores Tribunais de Justiça na tentativa de reverter parcial ou totalmente a Medida Provisória nº 621, publicada pela União neste dia 8 de julho. O documento discorre sobre o "Projeto Mais Médicos Para o Brasil", que visa importar médicos e ampliar o curso de Medicina em mais dois anos.

A informação foi confirmada pelo presidente da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), que também responde pelo Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte (Sinmed/RN), Geraldo Ferreira. Na manhã desta quarta-feira, 10, em Brasília, os setores jurídicos da Fenam, do Conselho Federal de Medicina (CFM) e Associação Médica Brasileira (AMB), se reunirão para discutir de que forma irão agir contra a decisão do Governo Federal.

De acordo com Geraldo Ferreira, o pacote anunciado pela presidente Dilma Rousseff nesta segunda-feira, 8, é completamente diferente do que fora imaginado pelos médicos brasileiros. A classe aguardava mudanças no sentido de valorizar a mão-de-obra médica nacional, com estabilidade na carreira, regime jurídico único, mudanças de nível, qualificação e valorização salarial. "A medida do Governo Federal é agressiva e tem caráter anti-médico. Nós vamos contestar juridicamente. Isto se configura num serviço civil obrigatório. É a exploração da mão-de-obra médica", defendeu Ferreira.

Ele disse, ainda, que o pacote anunciado pela Presidência não irá sanar os problemas históricos da Saúde brasileira, pois tem um perfil "eleitoreiro". "Nós lamentamos que uma questão técnica seja tratada como perfil eleitoreiro", asseverou o presidente da Fenam e Sinmed/RN. Ademais, Geraldo Ferreira enfatizou que as mudanças propostas poderão instabilizar a Saúde Pública nacional .

Geraldo Ferreira disse que não entende qual é o intuito do Governo Federal de querer importar médicos de Cuba, por exemplo. A União afirmou que os profissionais, caso venham de outros países, deverão migrar da Espanha e de Portugal e passar por um rigoroso procedimento de seleção, cujos requisitos foram publicados no Diário Oficial da União de ontem.
Fonte : Tribuna do Norte



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1044 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)