Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Saúde+10 não tem oposição no Congresso



12/08/2013
O Movimento Nacional em Defesa da Saúde Pública - Saúde+10 vai influenciar a agenda prioritária do Congresso Nacional nos próximos meses, se depender da posição dos líderes de partidos e bancadas e da mobilização das entidades e movimentos envolvidos na mobilização por mais recursos para a saúde.

O projeto de lei (PL) de iniciativa popular propõe a destinação de 10% da receita bruta da União para o SUS e contou com a forte atuação dos núcleos do Cebes na coleta de assinaturas, além de ter recebido o apoio de parlamentares da base do governo e da oposição.

Durante a cerimônia de entrega das assinaturas, na segunda-feira (5), o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), lembrou que a saúde não pode esperar mais e que o projeto não terá impedimentos para tramitação na Câmara, mas não se comprometeu a dar caráter de urgência ao texto, que passará por discussões em três comissões da casa antes de ir a plenário.

Ao todo, foram entregues 1.896.592 assinaturas coletadas em todo o Brasil por cerca de 100 entidades, associações e movimentos sociais ligados às lutas por mais qualidade no sistema público de saúde Brasileiro.

Em entrevista exclusiva ao Cebes antes da solenidade de segunda, o senador Humberto Costa (PT-PE), ministro da saúde entre 2003 e 2005, afirmou que o governo quer discutir o projeto. "Acredito que seja possível um incremento dessa ordem no sistema único de saúde. A carência de recursos para a saúde, principalmente de recursos federais, tem pesado fortemente para que nós não possamos melhorar o nível de atendimento à população no SUS", argumentou.

Se aprovado, o governo federal terá que fazer um aporte adicional de aproximadamente R$ 45 bilhões para a saúde pública, o que apenas minimiza a questão subfinanciamento do SUS, presente desde a sua criação, na Constituição de 1988.

Para a presidenta do Cebes, Ana Maria Costa, presente no ato ao lado de membros da diretoria da entidade, o ideal para um financiamento compatível com o SUS constitucional seria dobrar o atual orçamento, em torno de R$ 83 bilhões.

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) afirmou ao Cebes que denunciar o subfinanciamento e ter proposta concreta para superar esse grande obstáculo à implementação do SUS é estratégico.

"O Saúde + 10 unificou entidades e instituições. Agrego a importância de fortalecermos a bandeira da Contribuição sobre grandes fortunas para a saúde, na medida em que soma importante volume de recu rsos e corrige a distorção tributária brasileira", defendeu Jandira.

As assinaturas são parte do plano de reivindicar ao Congresso um PL de iniciativa popular – uma forma de proposta de legislação prevista pela Constituição Federal, em que deve ser reunido 1% do eleitorado nacional, com no mínimo 0,3% dos eleitores de cinco unidades da Federação, por meio de assinaturas validadas com os respectivos números de título de eleitor, zonas e seções eleitorais. Dessa forma, o cidadão dá o seu aval ao projeto em questão, expressando diretamente a sua vontade.

Oposição
Para o líder da oposição na Câmara, Nilson Leitão (PSDB-MT), é inaceitável que os governos estaduais e municipais tenham piso para gastos com saúde e o governo federal não tenha. "Esse movimento é vitorioso devido a inércia do governo federal e, por isso, devemos dar total apoio ao projeto para tirar a saúde da UTI, principalmente depois das manifestações de junho que mostraram que a saúde é prioridade para a população", afirmou o tucano, que acredita que a oposição vote unida a favor de mais recursos para a saúde.

Para que o projeto seja recebido eram necessárias, pelo menos, 1,4 milhão de assinaturas – 1% dos cerca de 140 milhões de eleitores brasileiros, segundo dados de 2012 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A coleta das assinaturas foi feita em parceria com diversas entidades, entre elas o Cebes, CUT, OAB, CFM, Conasens e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

"Nós acreditamos no direito à saúde de forma digna. A população não pode ser atendida de qualquer forma e por qualquer meio. Por isso, nos engajamos na coleta de assinaturas. Nós continuaremos acompanhando o projeto no Congresso", disse o secretário-geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, sobre a participação da entidade na campanha do Saúde+10.

Vontade Popular
Para a presidenta do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Maria do Socorro de Souza, o aporte orçamentário adicional será usado para suprir o déficit de financiamento que existe desde a criação do SUS, na década de 1980. "A nossa expectativa é que o Congresso acolha a vontade popular e que o governo tenha a disposição de negociar", disse Maria do Socorro.

O presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Marcus Vinícius Furtado Coêlho classificou a saúde como a principal demanda da ampla maioria dos participantes de uma pesquisa encomendada pela entidade. Ainda segundo Coêlho, a OAB irá se articular para fazer com que a Frente Parlamentar dos Advogados no Congresso trate o Saúde+10 como prioridade.

"O Estado brasileiro é inconstitucional, quando o assunto é saúde. Não cumpre a principal função determinada pela Constituição, que é a proteção da população. O Brasil, para se constitucionalizar, precisa aprovar esse projeto de lei", disse o presidente do conselho da OAB.

Já o presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, Antônio Carlos Nardi, informou que o conselho irá se mobilizar para cobrar celeridade na tramitação do projeto pelo Congresso. Segundo Nardi, o objetivo é fazer que o texto vá à sanção presidencial em dezembro deste ano.
Fonte : CEBES



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 976 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)