Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

FENAM irá acompanhar investigação do MPT sobre a vinda de médicos cubanos


Foto: Internet
FENAM irá acompanhar investigação do MPT sobre a vinda de médicos cubanos
"Nós entendemos que é urgente que o MPT abra as investigações e nós participaremos ativamente do processo, procurando a máxima transparência", afirmou o presidente da FENAM.


23/08/2013
O presidente da Federação Nacional dos Médicos (FENAM), Geraldo Ferreira, parabenizou nesta sexta-feira (23), a iniciativa do Ministério Público do Trabalho (MPT) de questionar o processo de importação de 4 mil médicos cubanos e afirmou que irá acompanhar de perto a investigação do processo. Em contato com autoridades médicas da Bolívia e Venezuela, a entidade médica teve conhecimento da relação de trabalho com os profissionais da ilha e encontrou características análogas às de escravidão. Desde então, Ferreira, representante da defesa das causas trabalhistas da medicina brasileira, está em estado de alerta sobre a questão.

"Nós entendemos que é urgente que o MPT abra as investigações e nós participaremos ativamente do processo, procurando a máxima transparência. Se essa realidade for encontrada, esses contratos não poderão se sustentar em nosso país", explicou o presidente da FENAM.

O governo ainda não informou de forma conclusiva como será feito o pagamento dos profissionais da ilha, que será com contratação via Organização Pan-Americana de Saúde (Opas). Sabe se que o regime cubano é quem decidirá quanto da quantia de 10 mil reais, paga pelo Brasil, que cada médico irá receber. Segundo Ferreira, informações de países da América Latina são de que a remuneração seria irrisória.

A FENAM já se comprometeu a recorrer à Organização Internacional do Trabalho (OIT), se a semelhança vier a se comprovar no Brasil. Pela Convenção 29 do órgão, a situação se enquadra como trabalho escravo ou forçado. Submetidos pelas leis de Cuba, no Programa Mais Médicos, seus cidadãos dentre outros pontos, não podem sair da área destinada de serviço e nem desistir do trabalho.

A entidade defende que a melhor maneira para levar o profissional onde ele não está, é com concurso público, com contratação pelo governo e o melhor financiamento da saúde, fortalecendo o Sistema Único de Saúde(SUS).

Leia também no portal FENAM:

FENAM lembra que contratos de médicos cubanos possuem característica de trabalho escravo
Fonte : Fernanda Lisboa



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 1427 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)