Sindicatos Médicos:

 
Você não está logado
Entrar | Cadastrar

Direitos Humanos discute situação dos cubanos no programa Mais Médicos


Foto: Reprodução Globo News
Direitos Humanos discute situação dos cubanos no programa Mais Médicos
Na primeira fase do Mais Médicos, 400 profissionais de Cuba já chegaram ao Brasil.


01/10/2013
A Comissão de Direitos Humanos e Minorias realiza audiência pública hoje (2), às 14 horas, para discutir a situação e a suposta violação de direitos humanos de médicos cubanos participantes do programa Mais Médicos.

Os deputados Dr. Grilo (PSL-MG) e Marcos Rogério (PDT-RO) solicitaram o debate com o intuito de apurar se as condições de trabalho oferecidas aos médicos cubanos estão de acordo com as normas internas e internacionais de proteção aos direitos humanos e se eles não estão recebendo tratamento diferenciado em relação às condições de entrada e permanência no Brasil e à remuneração que vão receber.

O programa Mais Médicos, instituído pela Medida Provisória 621/13, em análise por comissão mista no Congresso, oferece bolsas para médicos brasileiros e estrangeiros trabalharem três anos em atenção básica de saúde, em regiões do Sistema Único de Saúde (SUS) com maior vulnerabilidade social, como periferias de grandes cidades e municípios do interior. O valor da bolsa-formação para esses profissionais será de R$ 10 mil.

Entre os médicos de diversas nacionalidades inscritos no programa, destacam-se os cubanos. Na primeira fase do Mais Médicos, 400 profissionais de Cuba já chegaram ao Brasil e passaram por curso de formação e avaliação. Até o final desta semana, chegarão ao País mais dois mil médicos da ilha do Caribe, para a segunda etapa do programa, e o Ministério da Saúde tem a previsão de trazer, até o fim do ano, quatro mil no total.

Violação da lei

Dr. Grilo ressalta que "a remuneração real a ser recebida pelos médicos cubanos ainda é um mistério". Ele aponta preocupação do procurador-geral do Trabalho, Luís Camargo, de que poderia estar havendo violação da legislação trabalhista, pois haveria desnível salarial entre os contratados, com os cubanos recebendo menos – no dia 28 de agosto, o Ministério Público do Trabalho instaurou inquérito civil sobre o programa para investigar as denúncias.

Segundo Dr. Grilo, há ainda preocupação da Federação Nacional dos Médicos de que, por não haver vínculo empregatício dos contratados para o programa, haja precarização das relações de trabalho. O deputado aponta também denúncias de que os cubanos terão seus passaportes retidos, sem poder circular livremente pelo País, e serão forçados a retornar a Cuba ao final dos três anos.

Já Marcos Rogério questiona se o convênio para trabalho dos cubanos no Brasil pelo Mais Médicos "não estaria ofendendo o Artigo 5º da Constituição Federal que veda qualquer tipo de discriminação, inclusive de ordem de nacionalidade".

Convidados
Foram convidados para o debate:


o ministro da Saúde, Alexandre Padilha;
o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias;
a ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário Nunes;
o representante da Federação Nacional dos Médicos, Jorge Darze;
o presidente do Conselho Federal de Medicina, Roberto Luiz D’Avila;
o presidente do Conselho Federal da OAB, Marcus Vinícius Furtado;
e representantes do Ministério das Relações Exteriores e do Ministério Público do Trabalho.

A audiência será realizada no Plenário 9.
Fonte : Agência Câmara



Avalie este conteúdo
Se você achou esse conteúdo interessante deixe seu voto clicando no botao "gostei". Os conteúdos melhor avaliados ficam em destaque para os outros usuários.


Este conteúdo tem 987 visitas

Para votar, você precisa estar logado no site.


Comentários


Deixe seu comentário






Digite as letras que você vê na imagem ao lado:



Interatividade FENAM
Nossos canais na Web 2.0
 
Informativo eletr�nico
Cadastre-se e receba por email as not�cias da FENAM




Enquete

Você é filiado ao seu sindicato?


Não
Sim
Opa, selecione uma op��o.









Caso seja mais de um amigo, separe os emails por vírgula.

Para votar, você precisa estar logado no site.


Desenvolvimento: RBW Comunicação |
© Federação Nacional dos Médicos - FENAM (2008)